Maciel que só marcou três
gols na temporada, ainda
está devendo no Brasileirão.

Depois de 180 minutos sem marcar nenhum gol, as atenções se voltam cada vez mais sobre o ataque do Atlético.

Diante do Santos, Lima e Maciel tentarão marcar o primeiro gol pela equipe no campeonato brasileiro e deslanchar como artilheiros da equipe na temporada. Uma situação bem diferente do ano passado quando Washington era referência na área e quase certeza de gol para o Rubro-Negro. A partida contra o Peixe está programada para às 18h10, na Vila Belmiro, e terá Marcão, Etto e Marín como novidades.

Para se ter uma idéia, o Coração Valente (hoje, no futebol japonês) marcou dez gols nos seus 11 primeiros jogos com a camisa do Furacão. Uma média de 0,91 tento por partida. Se levarmos em conta também o Brasileirão, a média de Washington continua alta. Foram 34 gols em 38 jogos, equivalente a 0,89 rede balançada a cada entrada em campo. Números bem diferentes dos atuais responsáveis por fazer os gols e conseguir as vitórias para o Atlético.

O atual artilheiro do time, Dênis Marques, nem poderá entrar em campo porque está suspenso pela Fifa. Mesmo assim, seus números são decepcionantes. Foram seis gols em 18 jogos (média de 0,33). Em seguida, vem Lima com cinco gols em 13 partidas (média de 0,38). Depois deles, quem mais marcou foram o volante Alan Bahia e o meia Fabrício, com quatro gols. Com três gols cada um vem os superestimados Aloísio e Maciel, que vieram do futebol europeu e sobre quem se depositava a esperança de gols. Eles têm em média, 0,27 e 0,3, respectivamente.

Mudar essa situação não é fácil, mas Lima arrisca uma receita. "O nosso meio tem que se aproximar mais do ataque, no decorrer da partida o nosso meio fica muito distante, então, acho que com o meio se aproximando as coisas vão facilitar, senão a gente vai ficar correndo, para buscar a bola e não vai ter gás para chegar na frente e fazer o gol", analisa.

Já Maciel prefere dividir com todos os companheiros a busca pelo gol. "Tivemos uma oportunidade contra o Juventude, eu mesmo finalizei mal e se tivesse finalizado certo teria feito o gol. Mas, quando a gente perde, a culpa é de todos, então a gente trabalha para tentar fazer os gols e acertar os chutes", expõe.

No restante do time, a ausência mais sentida será a de Baloy. Ele sentiu a panturrilha no treino de quinta-feira e também será poupado. Por outro lado, o zagueiro Marcão e os alas Etto e Marín estão de volta à equipe.

Rodriguinho ganha nova chance

Ele já foi considerado o sucessor de Kléberson, brigou com treinador, bateu carro e foi afastado do elenco, mas ganhou nova oportunidade no CT do Caju. Depois de ter feito uma grande Série B no ano passado pelo Bahia, o meia Rodriguinho está de volta ao Atlético e com moral com a diretoria, que acredita que a promessa de grande jogador irá se confirmar. O atleta garante que os problemas disciplinares acabaram e que daqui para frente só vai pensar em jogar futebol.

"É sempre bom voltar. Algumas experiência foram ruins, mas a passagem pelo Bahia foi muito importante na minha vida por questão do amadurecimento", aponta Rodriguinho. Sob o comando do técnico Osvaldo Alvarez, o meia quase levou o Tricolor baiano à Série A e mudou bastante, principalmente o comportamento. "Graças a Deus acabaram. Os problemas acontecem, infelizmente não era aquilo que eu queria, mas a gente aprende com os erros. Eu estou bem ciente do que aconteceu e, agora, é bola para frente", projeta.

Esse bola para frente, por enquanto, deverá demorar mais duas semanas. "Eu vim brigar pelo meu espaço, respeitando os meus amigos, mas, quando pintar uma brecha, procurar achar o meu espaço. Eu estou me preparando bem na parte física para estar pronto quando for chamado", destaca. Antes de retornar ao Rubro-Negro, Rodriguinho esteve acertado com a Ponte Preta, mas os dirigentes do Furacão o chamaram de volta à Baixada para azar de Vadão, que esperava trabalhar novamente com o meia.

Santos com duas mudanças

Para enfrentar o Atlético, o técnico Alexandre Gallo não poderá contar com o volante Bóvio, expulso contra o Coritiba, e ainda pode ficar sem o zagueiro Leonardo, que sente uma lesão e é dúvida. Caso o jogador não possa atuar, Halisson deverá ser o substituto. Para o lugar de Bóvio, Élton já foi confirmado pelo treinador. Como Tcheco continua machucado, Luciano Henrique ganha mais uma oportunidade e vai se firmando na equipe. Nas demais posições, o time será o mesmo que derrotou o Coxa, no domingo passado. Enquanto isso, fora de campo, o clube segue contratando. Depois de apresentar o zagueiro Márcio Saraiva, que foi revelado pelo São Paulo, os dirigentes santistas agora querem contratar o atacante Cláudio Pitbull, do Porto. Por enquanto, o empresário do atleta, Jorge Baidek, diz que o jogador não deverá voltar ao Brasil tão cedo, mas admite uma conversação entre as partes.

Campeão pode ser adversário

As vitórias e as classificações do Chivas Guadalajara (México) e do Once Caldas (Colômbia), na quinta-feira, encerraram a rodada de meio-de-semana na Copa Libertadores e permitiram uma projeção mais clara para os confrontos das oitavas-de-final. Com quatro dos oito grupos já encerrados, o Atlético tem ótimas chances de terminar a etapa com a terceira melhor campanha do torneio, atrás apenas de dois gigantes do continente.

Em caso de vitória sobre o Independiente Medellín, terça-feira que vem, na Arena, o Atlético terminaria o Grupo 1 na primeira colocação, com 13 pontos. Apenas River Plate (16 pontos) e Boca Juniors (13 e saldo de 11 gols, 10 a mais que o do Furacão) estariam à frente do representante brasileiro. Outro que poderia ultrapassar o Atlético é o Cerro Porteño (11), mas este teria que derrotar o Palmeiras em São Paulo, na última rodada do Grupo 4.

O regulamento da segunda fase determina que os campeões dos grupos sejam numerados de 1 a 8, conforme suas campanhas. Da mesma forma, os segundos colocados serão dispostos do 9.º ao 16.º lugar. Se confirmar o terceiro melhor desempenho geral, o Rubro-Negro enfrentará o sexto melhor entre os vice-líderes. Uma projeção da classificação e dos jogos restantes aponta o Once Caldas, atual campeão, como mais provável adversário rubro-negro na próxima fase. Universidad de Chile e LDU (Equador) também têm boas possibilidades de encarar o time de Edinho.

CAMPEONATO BRASILEIRO

3.ª Rodada
Local: Vila Belmiro (Santos)
Horário: 18h10
Árbitro: Wilson de Souza Mendonça (Fifa-PE)
Assistentes: Erick Bartholomeu Antas e Silva Bandeira (Fifa-PE) e Luciano José Coelho Cruz (PE)

Santos x Atlético

Santos
Henao; Paulo César, Leonardo (Halisson), Cristiano Ávalos e Léo; Fabinho, Élton, Luciano Henrique e Ricardinho; Robinho e Deivid. Técnico: Alexandre Gallo

Atlético
Diego; Danilo, Marcão e Durval; Etto, Alan Bahia, Ticão, Fabrício e Marín; Lima e Maciel.
Técnico: Edinho Nazareth