A derrota por 1 x 0 para o Grêmio, domingo, só fez aumentar os números negativos do Atlético este ano. O Rubro-Negro é o único que ainda não marcou gol no Campeonato Brasileiro – isso incluindo as Séries A e B.

Também está entre as três equipes que ainda não conseguiram somar ponto na primeira divisão, junto com Coritiba e Avaí, e só não é o lanterna da disputa por que sofreu um gol a menos do que o time catarinense.

Além do péssimo começo de Campeonato Brasileiro, situação que não é novidade para o torcedor nos últimos quatro anos, o Furacão completa esta semana um mês sem vitórias.

Foram quatro jogos desde a vitória por 3 x 1 sobre o Rio Branco, na rodada que encerrou o Campeonato Paranaense. Desde então, são dois empates e duas derrotas.

Mas os dois empates saíram tão caros quanto os reveses sofridos no Brasileirão. Sem superar o Vasco, nos dois confrontos seguidos que teve pela Copa do Brasil, o time foi eliminado do torneio e manteve o tabu de nunca chegar a uma semifinal da competição.

Para tentar mudar o panorama atual, o técnico Adilson Batista começa a sinalizar com mudanças táticas no time. Depois de ser criticado por enfrentar o Atlético-MG com quatro volantes, no jogo com o Grêmio o treinador já reduziu para três, colocando mais um atacante no time.

Porém, novamente foi criticado e chamado de “burro” pelos torcedores que discordaram da escalação do time. Assim, para o jogo da terceira rodada, sábado que vem, contra o Palmeiras, no Canindé, o treinador cogita manter dois meio-campistas no time, reduzindo a contenção para apenas dois volantes.

“Às vezes, você pode rever a característica desse ou daquele [jogador], relevar, entender, aceitar e trabalhar em cima daquilo que, às vezes, está acostumado. O futebol é gostoso por isso, é um aprendizado constante e a gente pode sim rever, e no futuro ter essa formação sim”, admitiu Adilson.

Mas as alterações serão confirmadas no decorrer desta semana, depois que o técnico conseguir mais informações sobre o Palmeiras. “Vamos tentar encontrar uma formação em que a gente tenha equilíbrio entre marcação e saída rápida para vencer o jogo lá no Canindé”, afirmou.