Foto: Anderson Tozato

Novidade vale a partir do Brasileirão. As rádios interessadas têm até o dia 22 deste mês para se manifestar.

Mais uma atitude da diretoria do Atlético promete causar muita polêmica nos meios radiofônicos de todo o País. Ontem o clube emitiu um comunicado – através do site oficial e que será publicado em jornais de circulação nacional – no qual notifica todas as emissoras de rádio que a partir de 10 de maio – início do Campeonato Brasileiro – as transmissões de jogos do Furacão, dentro ou fora de Curitiba, serão pagas. ?A transmissão radiofônica de partidas das quais o CAP participe será objeto de contrapartida financeira, sendo R$ 15 mil por partida e R$ 456 mil o pacote contendo os 38 jogos do clube.?

De acordo com a diretora de Comunicação do Atlético, Luciana Pombo, a intenção do clube com essa medida é regularizar e disciplinar as transmissões de rádio do mesmo modo que é feito com a televisão. O edital lançado pelo Rubro-Negro funcionará como uma licitação e os interessados poderão adquirir os jogos individualizados ou o pacote.

A principal dificuldade nessa nova imposição será quanto à fiscalização de transmissões fora da praça curitibana. ?Está sendo estudado juridicamente como faremos essa fiscalização. Mas é certo que todas as rádios estarão cientes da necessidade de pagar as transmissões, devido à publicação do edital?, explicou Pombo.

Mercado

O preço estipulado pelo Atlético para se adquirir o direito de transmissão foi apontado por algumas rádios locais (Curitiba) como um ponto negativo e que pode desestimular a compra. Porém o clube informou que foi realizado um estudo amplo e detalhado, em nível nacional, e que após reuniões entre os departamentos jurídico, contábil e marketing do Furacão foi decidido o valor.

As emissoras que se dispuserem a pagar ao clube paranaense pelas transmissões devem entrar em contato pelo endereço eletrônico cadastramento@ atleticopr.com.br até 22 de abril.

Ainda é muito precoce analisar se a idéia atleticana – de valorização da marca – dará certo, pois quem ditará isso será a ?lei de mercado?. O certo é que o produto Atlético Paranaense foi posto à venda e quem quiser transmitir terá que pagar. ?É cedo para imaginar o que pode ocorrer a partir do edital?, analisa a diretora.

Retrocesso?

O primeiro pensamento que vem à cabeça é que com essa atitude o Atlético espantará qualquer emissora de rádio das transmissões de seus jogos. Porém a estratégia atleticana vai mais além. ?Não queremos impedir que nossos jogos sejam transmitidos pelas rádios. Pelo contrário. Queremos a presença das emissoras e assim seremos valorizados?, explica Pombo.

Ainda conforme o clube, o torcedor atleticano – que só pode acompanhar seu time do coração através do rádio – não será penalizado. Caso nenhuma emissora se interesse pelo edital uma das saídas para o clube será locar espaço na grade de transmissão de rádios e apresentar o jogo, de preferência em bandas AM e FM. ?Podem ter certeza que não deixaremos nenhum atleticano sem informações sobre seu clube?, afirmou Pombo.

Com essa medida o clube mais uma vez aposta na marca Atlético Paranaense e no desempenho da equipe dentro de campo. Assim a exclusividade poderá render muito ao Rubro-Negro, seja através da negociação com emissoras ou na venda de patrocínios numa eventual rádio atleticana.