Na lateral esquerda, Marín ressurge no time titular e terá outra chance de mostrar serviço.

Por incrível que pareça, enfrentar o lanterna do Campeonato Brasileiro pode ser mais difícil do que uma equipe embalada. Os jogadores do Atlético, pelo menos, pregam isso e não deixam de ter razão. Pressionado pela torcida, pela diretoria e pela comissão técnica, o Paysandu vai querer fazer o jogo da vida contra o Rubro-Negro. Por isso, a ordem no Furacão é jogar em cima do nervosismo do adversário e deixá-los na lanterna da competição. O confronto contra os paraenses está programado para as 18h10, no Mangueirão.

?É mais complicado para nós sim. O treinador deles já avisou que vai jogar para não perder e isso deixa as coisas mais complicadas?, aponta o meia Fabrício. Como a delegação foi de São Paulo (após a derrota para o São Caetano) direto para Belém, já entrou no ?clima? da partida e acompanha tudo através da imprensa local. A diretoria do Paysandu dispensou jogadores e a torcida já fez o enterro simbólico da equipe no Brasileirão.

Conhecimento de causa sobre o que é estar na última colocação, o Atlético tem de sobra. Passou oito rodadas segurando a lanterna e o time sabe o que fazer para sair e como não ser surpreendido por uma equipe nessa situação. ?É uma situação chata e nós já passamos por isso?, compara o volante André Rocha. Por isso, em todas as conversas a preocupação é tirar proveito e não ser surpreendido. ?Ficamos sabendo disso e temos que aproveitar a situação. Se a gente não tomar ou fizer um gol cedo o time deles pode partir para o desespero?, projeta Fabrício. Para André, o time não pode recuar como aconteceu contra o Azulão. ?Jogando fora de casa temos que partir para cima. Se jogarmos para empatar, o resultado pode ser uma derrota e esse não é o nosso objetivo?, aponta.

Com os três pontos almejados, o Rubro-Negro volta a se aproximar da zona que classifica para a Copa Sul-Americana, pode continuar sonhando com a Copa Libertadores e ainda deixa mais para trás a zona do rebaixamento. Além disso, uma vitória mantém o time da Baixada na 15.ª colocação, sem risco de voltar a cair na tabela da competição.

Marín reaparece como titular

Uma intoxicação estomacal, fez mais uma vítima no Atlético. Depois do zagueiro Paulo André ter ficado fora na partida contra o São Caetano, agora é o meia Evandro que deixa o time na mão. Com problemas físicos, ele nem viajou para Belém e desfalca outra vez o Rubro-Negro pelo Brasileirão. Dessa forma, André Rocha permanece como titular e Alan Bahia e Marín serão as novidades.

?Não tem outra formação, outra alternativa a não ser jogar com esse time?, ponderou o técnico Antônio Lopes após o treinamento de ontem no Estádio do Remo, em Belém. Ele já tinha perdido o ala-esquerdo Marcão e o meia Ferreira por expulsão e esperava contar com Evandro. O clube chegou a anunciar a ida do atleta de Curitiba para Belém, mas ele nem embarcou e já gera especulações de que possa estar sendo negociado com o futebol europeu.

Pelo sim, pelo não, André Rocha foi confirmado como o segundo volante e vai se firmando entre os titulares.

CAMPEONATO BRASILEIRO

20.ª Rodada
Local:
Mangueirão (Belém)
Horário:
18h10
Árbitra: Sílvia Regina de Oliveira (Fifa/SP)
Assistentes: Ana Paula da Silva Oliveira (Fifa/SP) e Maria Eliza Correia Barbosa (SP)

Paysandu x Atlético

Paysandu
Alexandre Fávaro; Marco Aurélio, Sílvio, João Carlos e Luiz Augusto; Vânderson, Alemão, Gian e Rodrigo; Robson e Zé Augusto. Treinador: Gilson Kleina

Atlético
Diego; Danilo, Paulo André e Marcus Winícius; Jancarlos, Alan Bahia, André Rocha, Fabrício e Marín; Lima e Finazzi. Técnico: Antônio Lopes