Foto: Maurício Val/Vipcomm

Time de Ney Franco foi apático e praticamente não deu trabalho ao goleiro vascaíno.

Numa partida de nível técnico ruim, o Atlético deu adeus à Sul-Americana ao perder para o Vasco (2 a 0), em São Januário, na noite de ontem. Atuando com o time reserva, o Furacão foi facilmente dominado e pouco incomodou seu adversário, que passa à fase seguinte da competição e enfrentará o Lanús, da Argentina.

Com a desclassificação, o Rubro-Negro concentra suas forças no Brasileirão e terá dois dias para assimilar a derrota e partir em busca de recuperação. O desafio será no domingo, contra o Palmeiras, na Arena da Baixada.

O Atlético iniciou o jogo tentando pressionar o adversário. Em menos de um minuto, Netinho, que jogava como ala-esquerda, foi até a área do Vasco e soltou o canudo, obrigando Silvio Luiz a espalmar a bola para escanteio. As demais chegadas foram em jogadas de bola parada, mas sem levar perigo. Devido à vantagem obtida no jogo em Curitiba, onde venceu por 4 a 2, o time cruzmaltino preferiu não se arriscar e esperava os erros do Furacão. Isso até os 20 minutos, quando o Vasco equilibrou a partida e passou a ameaçar a meta paranaense. A melhor chance foi numa cobrança de falta de Andrade, que por pouco não entrou no canto direito de Viáfara.

Como os dois times atuavam com muitos atletas reservas e sem ritmo, praticamente não foram vistas jogadas trabalhadas durante todo o 1.º tempo. Ambas equipes exageravam nos chutes de longa distância e quase sempre sem direção. Assim, o resultado sem gols resumiu bem o que foi a primeira etapa da partida.

Mesmo precisando achar três gols para se classificar, o Atlético não mudou sua postura para o 2.º tempo. O Vasco ocupou os espaços e mandou na partida. O melhor futebol apresentado pelo time carioca foi premiado aos 28 minutos. Abuda cruzou da esquerda para Wagner Diniz que chutou novamente para dentro da área. A bola encontrou Marcelinho, que fuzilou. Com o gol, o Furacão se abateu em campo e deu mais oportunidades ao adversário. E aos 31, o melhor jogador vascaíno em campo definiu o placar. Marcelinho recebeu de Abuda e selou a vitória.

Outros jogos

No duelo equatoriano, o El Nacional eliminou o Olmedo ao vencer o jogo de volta por 1 a 0, ontem. E no outro confronto brasileiro, o Botafogo confirmou a vaga na próxima fase ao bater o Corinthians no Pacaembu por 2 a 1. Hoje, o Defensor Sporting, do Uruguai, pega o Tacuary, do Paraguai.

Marcelo Ramos é do Atlético

Como de praxe a diretoria do Furacão não comenta a contratação de Marcelo Ramos, mas ontem o presidente do Santa Cruz, Edson Nogueira, confirmou o pagamento da multa rescisória pelo Atlético e a liberação do atleta. De acordo com o dirigente pernambucano o valor de R$ 300 mil foi depositado na Justiça do Trabalho.

Outro indicativo da saída de Marcelo, de Recife, é que ele não participou dos treinamentos comandados pelo técnico Mauro Fernandes, na tarde de ontem, no Estádio do Arruda, e foi substituído por Creedence. Fernandes lamentou a saída do jogador numa fase crucial para o tricolor na Série B, pois Marcelo Ramos era o goleador da equipe, com 10 gols.

O artilheiro estava jogando normalmente e deverá estar à disposição do técnico Ney Franco, para reforçar o Furacão, na próxima semana. O experiente jogador espera completar uma marca importante em sua carreira defendendo as cores rubro-negras. Em toda a sua história como profissional, Marcelo assinalou 399 gols, jogando em clubes como Cruzeiro, Corinthians, Palmeiras, São Paulo e também no exterior.

Enquanto atacantes chegam, alguns jogadores deixam o CT do Caju. Dentre eles estão os meias Válber e Kaio, que devem se transferir para a Portuguesa (SP) e Guanabara (RJ), respectivamente. O lateral-esquerdo Alessandro, recém-contratado, rescindiu contrato com o Furacão, e também defenderá o Guanabara.

Quatro aprovados no vestiba

A desclassificação da Sul-Americana não abateu o elenco que, mesmo antes da partida diante do Vasco, anunciava preocupação apenas com a situação do clube no Brasileirão. A vitória do Flamengo, ontem, sacramentou a permanência do Atlético na zona de rebaixamento e, por isso, o jogo de domingo ganhou importância dobrada. Diante do Palmeiras, Ney Franco escalará o que tem de melhor em mãos para buscar os três pontos.

Do vestibular realizado em São Januário, quatro jogadores chamaram a atenção. Os meias Netinho e Evandro, o zagueiro Alex Fraga e o atacante Dinei.

Alex é o que tem mais chance de atuar contra o Verdão, pois Rhodolfo está suspenso e o substituto Gustavo, contundiu-se ontem. Já sobre a pressão de estar na zona da degola, Franco afirmou que é hora do Furacão mostrar a força da camisa e vencer em seus domínios. ?Temos uma seqüência de jogos em casa e temos que somar pontos. Se fizermos o dever de casa, não dependeremos de resultados de outras equipes para sair da zona de rebaixamento?, explicou.

A torcida mais uma vez foi lembrada por jogadores e comissão técnica como a principal arma do Atlético para reencontrar a vitória. ?Agora é hora de mostrar união. É fundamental que o atleticano vá à Arena e incentive. O nosso Atlético vai continuar na 1.ª divisão, mas precisamos da sinergia da vitória?, afirmou o diretor de futebol Alberto Maculan.

Obras retomadas

Cauhê Miranda

O Atlético retomou ontem a preparação do terreno que vai abrigar as obras de conclusão da Arena. Após algumas semanas de inatividade, uma escavadeira voltou a trabalhar no local, onde antes ficava o colégio Expoente.

O projeto de conclusão do estádio já está pronto, mas ainda é mantido em segredo pela diretoria atleticana. Os cartolas haviam prometido mostrar os planos para o torcedor após os Jogos Pan-Americanos, que terminaram em agosto. Mas a apresentação deve ficar apenas para o ano que vem, após as eleições do clube.

No mês passado, o Atlético mostrou a maquete do estádio à comissão de vistoria da Fifa, que visitou o Brasil. A Baixada é o Estádio indicado pelo governo do estado para receber jogos da Copa do Mundo de 2014, caso Curitiba seja confirmada como uma das sedes.

As obras de conclusão do Joaquim Américo devem começar efetivamente no começo do ano que vem e devem durar de 12 a 18 meses. O Atlético não confirma nada, mas especula-se que o clube irá gastar cerca de R$ 50 milhões no estádio, que terá capacidade para 41 mil pessoas.

Jogo de volta Copa Sul-Americana

Vasco 2 x 0 Atlético-PR

Local: Estádio São Januário, Rio de Janeiro

Vasco: Silvio Luiz, Jorge Luiz, Júlio Santos e Dudar; Wagner Diniz (Conca aos 37° do 2º), Roberto Lopes, Andrade, Marcelinho e Guilherme; Alan Kardec (Leandro Bonfim aos 42° do 2º) e Abuda (Leandro Amaral aos 37° do 2º). Técnico: Celso Roth.

Atlético: Viáfara; Rhodolfo, Gustavo (André Rocha aos 42° do 2º) e Alex Fraga; Nei, Alan Bahia, Roberto (Edno aos 19° do 2º) , Evandro e Netinho; Marcelo (Rogerinho aos 19° do 2º) e Dinei. Técnico: Ney Franco.

Árbitro: Carlos Eugênio Simon (FIFA/RS)

Auxiliares: Valter dos Reis (SP) e Edmilson Corona (SP)

Gols: Marcelinho (V) aos 28° e 31° do 2º

Cartões amarelos: Marcelinho (V), Gustavo, Alex Fraga, Rhodolfo (A)