O zagueiro Rhodolfo ganhou mais um dia de dispensa da concentração e não participou dos treinamentos de ontem no CT do Caju. A primeira ausência foi no dia da reapresentação, na semana passada.

Rhodolfo chegou um dia depois dos colegas. O jogador pediu liberação para resolver problemas pessoais e foi atendido pelo diretor de futebol, Ocimar Bolicenho, que já mandou seu recado.

“Deixei ele livre para resolver problemas que precisam da presença dele, mas já avisei que seria a última folga. Para ele deixar a pré-temporada agora só depois que a transferência for formalizada”, disse o dirigente, em referência a possível negociação com o Genoa, da Itália.

A ausência em mais um dia de trabalho faz aumentar as especulações de que Rhodolfo estaria entrando em atrito com a diretoria do Furacão. O jogador estaria desanimado para a temporada, depois das promessas feitas pelo presidente Marcos Malucelli no ano passado.

O mandatário declarou que tinha um acordo com Rhodolfo de que facilitaria sua saída se houvesse alguma proposta interessante ou então providenciaria uma valorização salarial em consideração à dedicação do jogador ao clube.

Porém, a oferta do Genoa, da Itália, não foi aceita de primeira e a demora em se resolver acabou esfriando o interesse dos italianos que ainda não responderam à contraproposta atleticana.

Segundo Malucelli, a proposta não foi aceita porque estava muito abaixo do que o clube pretendia. Sem prazo estipulado para que a conversa seja encerrada, enquanto o Genoa não se posicionar, Rhodolfo se mantém no Furacão, ao menos treinando.

“A situação do Rhodolfo não caminhou. A proposta não foi o que esperávamos. Se não melhorar a proposta ele vai ficar no Atlético. Ele pode até ser utilizado nas primeiras rodadas enquanto não se define”, disse o presidente. Os procuradores do zagueiro não foram encontrados para comentar a atual situação do jogador.