Jorge William / Ag. O Globo

O zagueiro atleticano Danilo marca
o atacante Obina, do Flamengo,
no Estádio Luso-Brasileiro.

Com um jogador a menos durante boa parte do jogo, não faltou transpiração. Mas, o Atlético não reeditou a boa performance da Libertadores e completou a oitava rodada do Brasileirão ainda sem vitória. Ficou no empate (1×1) com o Flamengo, no Luso-Brasileiro, resultado que mantém o time paranaense na lanterna da competição.

O primeiro tempo foi um show de passes errados e faltas. O Flamengo, jogando em casa, esboçou uma pressão nos minutos iniciais, mas tropeçava nas próprias pernas. Com um meio-de-campo nada criativo e um ataque ineficaz, chegou apenas em lances de bola parada e aí quem brilhou foi o goleiro Diego, com pelo menos duas difíceis intervenções. Do outro lado, o Atlético só levou perigo uma vez: Fabrício cobrou falta e acertou a trave direita, com Diego batido.

Em momento algum o Rubro-Negro lembrou a equipe coesa e "mortal", que se classificara para as semifinais da Libertadores há três dias. Talvez um reflexo imediato das ausências de Jancarlos, Aloísio e Marcão. Com novos alas, o Atlético não conseguiu uma única jogada pelos flancos do gramado. Etto e Marín, a rigor, não entraram no jogo. Pior ainda foi a atuação de Jorge Henrique, uma peça nula. O Flamengo reclamou muito de uma jogada onde Diego tirou a bola "com um tapa", após cabeceio de Henrique. Para os cariocas, a bola já entrara.

Quando Durval foi expulso, aos 24 minutos, o técnico Antônio Lopes recompôs a zaga com Tiago Vieira, sacando Jorge Henrique. O Flamengo, no entanto, não conseguiu impor um ritmo mais forte, apesar da vantagem numérica. Apenas uma chance real foi criada, quando Leonardo Moura recebeu na marca penal e bateu forte, mas houve desvio de André Rocha. O técnico Antônio Lopes, buscando maior ofensividade do seu time, trocou Etto pelo atacante Aloísio.

A partida reiniciou num toma-lá-dá-cá e no "fogo cruzado" o Atlético levou a melhor. No primeiro minuto, Diego salvou um desvio à queima-roupa de Renato. A resposta foi imediata: Fabrício cobrou falta com extrema precisão, acertando o ângulo direito do goleiro flamenguista: 1×0. O gol desarticulou de vez o time carioca e Lima, pouco depois, teve a chance de definir a vitória, mas chutou para fora. Mesmo confundindo velocidade com pressa, o Flamengo esteve perto do empate com Obina, mas Diego salvou.

O castigo veio aos 31 minutos. Danilo, ao ser driblado por Renato, fez pênalti. O próprio Renato converteu: 1×1. Apesar da "correria" nos minutos finais, nem Flamengo nem Atlético conseguiram mudar o placar.

CAMPEONATO BRASILEIRO
8ª. rodada
FLAMENGO 1×1 ATLÉTICO

FLAMENGO: Diego; Júnior Baiano, Fernando (Vinícius) e Henrique; Leonardo Moura, Róbson, Júnior (Renato Augusto), Renato e André Santos; Jean e Obina (Bruno Barbosa). Técnico: Celso Roth.

ATLÉTICO: Diego; Etto (Aloísio), Danilo, Durval e Marín; Cocito, Alan Bahia, André Rocha e Fabrício (Ticão); Lima e Jorge Henrique (Tiago Vieira). Técnico: Antônio Lopes.

SÚMULA
Local: Luso-Brasileiro (Rio de Janeiro).
Árbitro: Wilson Luís Seneme (SP).
Assistentes: Osny Antônio Silveira (SP) e Marcelo Carvalho van Gasse (SP).
Gols: Fabrício a 2° e Renato (pênalti) a 31° do 2º. tempo.
Cartões amarelos: Fernando, Júnior Baiano, Róbson, Júnior e Renato (Flamengo). André Rocha e Lima (Atlético).
Expulsão: Durval a 24° do 1º. tempo.