Leomar e Tiago foram substituídos
por atacantes e o Cruzeiro se
aproveitou para aumentar no segundo tempo.

O Atlético bem que tentou encarar de frente o Cruzeiro, mas acabou sendo engolido pelo melhor ataque do campeonato brasileiro. O meia Alex e o atacante Aristizábal foram os protagonistas do confronto e infernizaram a zaga rubro-negra ao se revezarem na marcação dos gols. Com a derrota por 5 a 2, o time comandado pelo técnico Osvaldo Alvarez perdeu a chance de se firmar na competição e vencer o primeiro jogo fora de casa. Agora, o time terá a semana inteira para buscar a reabilitação diante do Juventude, domingo, na Arena.

Os mineiros não perdiam há 30 jogos e estavam em busca da liderança da competição. Com o apoio de mais de 18 mil torcedores, partiram para cima. Ainda mais com um ataque devastador formado por Alex, Aristizábal e Deivid, nada menos do que os principais artilheiros do Brasileirão. O favoritismo era evidente, mas o Atlético não se intimidou. Com três zagueiros e dois volantes, Vadão tratou de tentar anular as principais jogadas do adversário e liberar os alas para apoiar os atacantes ao lado de Kléberson.

A tática era boa, mas quem tem o talento de Alex tem sempre algo a mais. Numa cobrança de falta, o meia colocou com estilo e abriu o placar. A desvantagem não abalou os atleticanos, que foram para cima. O ala-esquerdo Ivan puxou um bom contra-ataque e cruzou para Ilan cabecear e deixar tudo igual. Era a mostra de que o Furacão não estava para brincadeira, mas o zagueiro Tiago deu uma bobeira e passou errado para Leandro, que também levantou na área e achou Aristizábal à vontade para desempatar. A derrota parcial não abalou os jogadores rubro-negros. “O time está bem, vamos continuar trabalhando para empatar”, disse o meia Kléberson, no intervalo.

Ele tinha razão e, logo no início da segunda etapa, o atacante Dagoberto deixou sua marca. O empate calou o Mineirão, que não acreditava que o Cruzeiro estava sendo dominado pelos paranaenses e já temia pela sorte mineira. A vontade de vencer acabou levando Vadão a abrir a equipe. Ele tirou o zagueiro Tiago e pôs o meia Rodriguinho.

O relaxamento na marcação foi o que os rápidos e implacáveis atacantes da Raposa tanto queriam para fazer o estádio se levantar novamente. O bom ala-direito Maurinho carregou uma bola até a área adversária e serviu Aristizábal que chutou para desempatar novamente. Vadão ainda tentou colocar Selmir para aumentar o poder de fogo, mas, em contra-ataques rápidos, o time de Vanderlei Luxemburgo ainda aumentou o marcador com o próprio colombiano e com mais um gol de Alex.

Chega de erros, desabafa Vadão

“Chega de justificativas!” Esse é o pensamento do técnico do Atlético, Osvaldo Alvarez, para começar mais uma semana e buscar a reabilitação diante do Juventude, domingo, na Arena. Após estar encarando frente a frente o Cruzeiro no Mineirão, o time rubro-negro cometeu erros primários e acabou entregando um jogo que estava nas mãos para o adversário. Agora, numa posição delicada na tabela, o time terá que voltar a buscar o equilíbrio no campeonato brasileiro para voltar a subir. A primeira medida deverá ser uma nova mudança na defesa, que não vem satisfazendo as expectativas da comissão técnica.

“Eu não diria que tem pouca coisa para consertar. Eu diria que nós temos que errar menos e cobrar um do outro, porque nós não podemos em todo jogo ficar justificando (as derrotas)”, dispara Vadão. Segundo ele, o time fez uma grande apresentação diante da Raposa, mas acabou pecando no setor defensivo. “Nós fomos muito bem contra o Criciúma, mesmo com um jogador a menos. Tivemos uma postura muito boa, e com um jogador improvisado e até dois, após a expulsão do Rogério”, compara.

Para ele, o time precisa corrigir esses erros para não ficar tão vulnerável. “Nós tivemos uma postura defensiva boa contra o Criciúma mesmo com dez em campo. O que nós temos que fazer é isso, procurar minimizar os erros para não deixar o adversário se aproveitar”, aponta. Contra o Juventude, o sistema 3-5-2 e os próprios jogadores que formaram no setor defensivo devem sofrer alterações. “A gente tem tentado, de todas as formas, achar um sistema defensivo de uma forma geral”, destaca.

O treinador ressalta que, contra o Cruzeiro, o time estava bem postado, mas sofreu os gols nos ataques do adversário.