O Atlético nega qualquer irregularidade na condução da obra do teto retrátil da Arena da Baixada. O advogado do clube, Luiz Fernando Pereira, rebate as acusações de que a instalação está descumprindo regras de segurança dos operários.

Para o advogado do clube, não há lógica nas alegações do representante da Lanik I S.A. “A postura da Lanik é quase inacreditável. Não sei exatamente a expressão que posso usar. É inusitado”, disse o advogado atleticano.

Pereira afirma que o Furacão vai processar o diretor da Lanik, César França, e pedir indenização pelas inverdades que estariam sendo propagadas. “Faremos também uma interpelação para que ele se explique sobre essas afirmações”.

Sem problemas

Ainda segundo Pereira, nenhum dos problemas apontados pelo engenheiro existem. “Todas as obrigações que o Atlético têm perante a Lanik e os órgãos de controle foram rigorosamente cumpridas. Ele não tem razão em nada. O Atlético não é irresponsável como ele sugere”, ressaltou.

Ou seja, além de negar problemas de segurança na execução da obra, o advogado afirma que o Atlético não deve os 94 mil euros (aproximadamente R$ 300 mil) cobrados por França em suas declarações. O valor está depositado em juízo, na 21ª Vara Cível de Curitiba, e foi uma exigência do juiz para conceder a liminar que forçou a empresa a prestar o serviço combinado.