O Atlético deve começar esta semana uma reformulação geral no futebol, depois de amargar mais uma derrota para o Coritiba e ver a Arena da Baixada ser palco de mais uma conquista do maior rival.

E as mudanças podem começar justamente nos homens que comandam o futebol, com as saídas do diretor Valmor Zimermann e do gerente Ocimar Bolicenho. Nenhum dos dois atendeu às ligações da Tribuna ontem para falar sobre as possíveis saídas.

No comando técnico, Adilson Batista segue tranquilamente no cargo, com apoio da presidência, assim como o restante da comissão. Porém, os jogadores já não têm a mesma garantia.

Para a sequência da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro, o time deve sofrer mudanças, com nova leva de dispensas. Mas antes disso, o clube já trabalha para trazer alguns reforços.

Adilson Batista tem sido repetitivo no discurso sobre a necessidade de trazer novos jogadores para que o elenco ganhe qualidade. E após a derrota para o Coxa, a primeira desde sua chegada ao Furacão, Pezão voltou a falar sobre contratações.

O treinador quer as mudanças logo, para que o Atlético não volte a ter problemas, encare situações delicadas nas competições que disputa e que ainda terá pela frente e já de olho no Vasco da Gama – adversário das quartas de final na Copa do Brasil.

“Não é em função da derrota, mas precisamos estar atentos para que se fortaleça. [Copa do Brasil] é um campeonato diferente, agora vamos pensar Vasco, vivenciar o Vasco”, disse Adilson.

Antes porém, o Furacão encara o Rio Branco, na última rodada do Paranaense. O jogo servirá como teste para alguns atletas. “Serve pra avaliar alguns atletas, dar oportunidade aos mais novos”, frisou Pezão.

Mas o jogo com o Rio Branco não será único peso para as decisões futuras sobre o futebol no Atlético. Adilson já vem observando o elenco há muito mais tempo, mesmo quando ainda estava apenas nas arquibancadas.

“Falei desde que cheguei que precisamos melhorar. O treinamento no dia a dia, os jogos nos dão situações para que defina o grupo e as carências”, explicou o treinador.