Foi para lavar a alma. O Atlético conseguiu, mais do que os três pontos na vitória sobre o Coritiba por 2×0, na tarde deste domingo (16), na Vila Capanema, provar a sua eficiência como mandante no Brasileirão e continuar próximo do G6, uma vez que os adversários direto também venceram na rodada.

“Tínhamos que vencer de qualquer jeito para chegar à Libertadores. A equipe está de parabéns, se comportou bem taticamente e fizemos aquilo que o professor pediu”, afirmou o volante Otávio.

Autor do segundo gol da vitória do Furacão, o atacante Pablo ressaltou que o grupo teve um dia a menos de preparação que o rival – o Coxa jogou na quarta-feira e o Rubro-Negro na quinta, em Porto Alegre -, mas mesmo assim conseguiu impor o ritmo de jogo.

“Importantíssimo (o gol). Sabíamos da dificuldade que seria o jogo, tivemos um dia a menos de preparação mas fizemos um jogo muito intenso. Nosso time é guerreiro e queremos a Libertadores”, ressaltou o camisa 92 atleticano.

Do lado alviverde, o atacante Kazim, que começou no banco de reservas e entrou no intervalo, admitiu que o time não foi bem e que em nenhum momento fez por merecer um resultado que não fosse a derrota. “Normal. Hoje nós não brigamos, não lutamos. Quem não faz nada, não ganha nada”, resumiu ele.

O atacante Leandro também afirmou que o rival mereceu o resultado, pois aproveitou melhor as chances, mas reclamou de um pênalti não marcado, quando o placar era 1×0.

“Sobre o jogo, clássico é clássico. Todos sabem que é decidido em detalhes e eles foram precisos nos nossos erros. Naquele lance, tem que cuidar com o que vou falar, porque hoje está dificil. O Léo segurou minha perna, ele já estava no chão e não tinha o que fazer, mas o juiz não deu”, afirmou.