Buenos Aires – Sempre calmo e comedido nas suas declarações, o técnico Tiago Nunes se irritou com o árbitro Carlos Orbe, do Equador, que apitou a derrota do Athletico por 2×1 para o Boca Juniors, na última quinta-feira (9), na Bombonera, em Buenos Aires. O Furacão, com esse resultado, terminou a primeira fase da Libertadores na segunda posição e nas oitavas de final terá que decidir a vaga fora de casa.

O treinador até gostou da atuação do time rubro-negro, mas criticou muito a atuação da arbitragem, que dentre vários erros, deixou de marcar uma penalidade no segundo tempo da partida contra a equipe xeneize.

+ Confira quem o Furacão pode pegar nas oitavas

“Quem deveria estar aqui ao meu lado era o senhor Carlos Orbe, para explicar o que fez no jogo. Fizemos uma grande partida, um grande trabalho, perfeito taticamente e ele foi e nos tira um pênalti. A bola bateu na mão do Buffarini. O primeiro gol estava impedido e a expulsão é no mínimo duvidosa. Foram vários lances capitais e que servem de alerta para os demais times que vierem jogar aqui. Aqui não se ganha sem o VAR, porque o árbitro está condicionado a tudo o que acontece. Serve de aprendizado e esse momento nos fortalece. Vamos chegar mais fortes na segunda fase”, protestou Nunes.

+ Leia mais: De virada, Athletico perde pro Boca na Bombonera

A arbitragem de Carlos Orbe interferiu no resultado na partida, mas, segundo o técnico Tiago Nunes, a certeza apenas é de que o Athletico não sairia perdedor da Bombonera e com a primeira colocação do grupo garantida.

“Não posso afirmar com certeza que sairíamos com a vitória, mas com certeza não perderíamos o jogo. Por merecimento é o que deveria ter acontecido. Fizemos um trabalho tático perfeito, com um time equilibrado, um ambiente hostil, onde trabalhamos bem a bola e fizemos um grande trabalho”, emendou ele, que também compartilhou o sentimento de indignação de todo o time atleticano.

+ Confira como foi o jogo no Tempo Real da Tribuna

“Compartilho o sentimento dos atletas, que é de indignação. Se a gente perde dentro de campo, de maneira limpa, seria normal, faz parte. Disputa, empurrão fazem parte. O árbitro está ali para ser o mediador e não pode ser tendencioso de lado algum. Tenho muita gratidão e muito orgulho dos nossos jogadores, que jogaram muito futebol, se doaram, que tecnicamente tentaram jogar diante de um grande time”, reforçou o treinador.

Com três derrotas em três jogos fora de casa nesta Libertadores, o Furacão segue sem vencer longe da Arena da Baixada em 2019. Nas oitavas de final, por ter ficado na segunda posição, terá que decidir uma vaga nas quartas de final longe do seu torcedor. Nada, porém, que preocupe Tiago Nunes.

+ Leia também: Furacão anuncia Thonny Anderson

“A partir de agora é outro campeonato. A característica de jogo muda. Ano passado decidimos vários jogos eliminatórios fora de casa e fomos muito bem. Com a presença do VAR dá uma tranquilidade maior. Há mais chances de fazer jogos equilibrados contra qualquer time independentemente das circunstâncias que podemos enfrentar na segunda fase”, arrematou o comandante rubro-negro.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!