É com uma pequena vantagem que o Athletico vai para a grande decisão da Recopa Sul-Americana. Na noite de quarta-feira (22), o Furacão venceu por 1×0 o River Plate, atual campeão da Libertadores, e irá para Buenos Aires precisando apenas do empate para levantar a taça. Ainda que tenha construído a vantagem na Arena, a estratégia do Rubro-Negro será jogar para vencer também na finalíssima, que acontecerá na próxima quinta-feira (30), em Buenos Aires, no estádio Monumental de Núñez.

O técnico Tiago Nunes, destacando o feito do Furacão, explicou que o triunfo veio por meio de muito estudo de como jogava a equipe argentina. Vale destacar que dos últimos 22 jogos, o River Plate só havia sido derrotado duas vezes, sendo uma delas com a equipe reserva.

+ Leia também: Nikão é alvo de racismo de argentinos após vitória do Furacão

“A última vez que o River teve menos posse que o adversário foi contra o Boca Juniors, na final da Libertadores do ano passado. A gente superou eles na posse de bola, com 55% a nosso favor. Além disso, tivemos 16 finalizações contra quatro deles”, disse o treinador, que contou como o grupo conquistou esses números.

“Nós estudamos muito eles. Passamos para os atletas vários materiais com variações táticas que eles usam e os próprios atletas trouxeram ideia de como fazer a marcação. A estratégia foi construída por todos. Feliz em saber do histórico do clube contra grandes equipes como Peñarol, Boca Juniors, e hoje (quarta-feira) foi algo maravilhoso, que coloca o Athletico num cenário internacional que o clube vem buscando há tempos e agora vai conseguindo”, revelou.

+ Mais na Tribuna: Athletico 1×0 River: Uma vitória para 30 mil rubro-negros

Agora, para a decisão, o Furacão sabe das dificuldades que encontrará no Monumental de Núñez, mas Nunes garante que o time não vai jogar contando com a vantagem já construída.

“Assim como fizemos diante do Boca, na Libertadores, a gente não foi pra lá pra jogar contando com o empate. Nós fomos lá para tentar ganhar”, afirmou, recordando do confronto pela última rodada da fase de grupos da Libertadores e descartando a possibilidade de chegar para os últimos 90 minutos da Recopa confiando na vantagem conquistada.

“Se formos para a Argentina pensando em empatar vamos sofrer muito e a chance de sair derrotado é grande. Temos muito respeito por eles e humildade de saber que temos que marcá-los, mas vamos estudar para sair de lá com a vitória”, arrematou.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!