Acostumado a apostar em jovens talentos criados no CT do Caju, o Athletico muitas vezes colhe frutos com essa ideologia. Nem sempre a estratégia deu certo e alguns nomes não vingaram como o esperado, mas outros explodiram rapidamente e foram destaques, dentro e fora do clube.

Alguns até renderam crifras milionárias para o Furacão, que vendeu suas crias para a Europa e viu estes atletas se consagrarem mundialmente.

Confira as cinco principais revelações do Athletico:

Kleberson

Kleberson defendeu o Athletico entre 1999 e 2003 e voltou em 2011. Também disputou duas Copas do Mundo, sendo campeão em 2002. Foto: Walter Alves/Arquivo

Talvez o maior case de sucesso do Athletico. O jogador subiu para o time principal em 1999 e dois anos depois foi campeão brasileiro sendo um dos destaques do time. Em 2002 foi convocado para a Copa do Mundo, virou titular ao longo da competição e fez grande campanha. Em 2003 foi vendido para o Manchester United por R$ 23,5 milhões – dos quais 50% ficaram com o clube.

Na Inglaterra, Kleberson não teve o mesmo destaque, mas foi titular em alguns momentos e convocado para a seleção. Dois anos depois, em 2005, foi vendido para o Besiktas, da Turquia. Em 2008 voltou ao futebol brasileiro, onde foi campeão nacional com o Flamengo, em 2009, e, no ano seguinte, voltou a mais uma Copa do Mundo.

Jogou outra vez no Furacão, em 2011 e se aposentou em 2016, após quatro temporadas nos Estados Unidos.

Fernandinho

Fernandinho jogou no Furacão entre 2003 e 2005 e vem brilhando na Inglaterra. Foto: Pedro Serapio/Arquivo

Meia de origem, Fernandinho subiu ao profissional do Athletico em 2003, ano em que fez o gol do título mundial sub-20 da seleção brasileira. Mas o melhor ano foi em 2004, quando foi vice-campeão brasileiro atuando como ala pela direita. Em 2005, por conta de uma lesão, pouco atuou, mas estava no time vice-campeão da Libertadores. Em seguida foi vendido ao Shakthar Donetsk, da Ucrânia, por R$ 35 milhões.

Por lá, o atleta permaneceu por oito temporadas, sempre como titular. Em 2013, foi comprado pelo Manchester City, da Inglaterra, onde está até hoje, e passou a jogar como volante. Cresceu de rendimento, foi convocado para as Copas do Mundo de 2014 e 2018 e atualmente vem jogando como zagueiro.

Renan Lodi

Renan Lodi foi a última grande revelação do Athletico. Foto: Albari Rosa/Arquivo

Segunda maior venda da história do Athletico, o lateral-esquerdo Renan Lodi foi vendido em junho de 2019 ao Atlético de Madrid, da Espanha, por cerca de R$ 87 milhões de reais. Aos 22 anos, já se firmou como titular absoluto na equipe do técnico Diego Simeone, que rasgou elogios ao garoto, que vem sendo convocado para a seleção pelo técnico Tite.

Antes, porém, virou ponto forte do Furacão. Promovido em 2016 pelo técnico Paulo Autuori, oscilou muito no time principal e em 2018 disputou o Campeonato Paranaense pelos Aspirantes, com o técnico Tiago Nunes. Campeão, se destacou e subiu novamente. Com Tiago novamente, virou peça-chave na conquista da Copa Sul-Americana de 2018.

Jadson

Jadson comandou o meio-campo do Athletico em 2004. Foto: Rodolfo Bührer/Arquivo

Assim como Fernandinho, surgiu em 2003, mas teve seu auge em 2004, na campanha do vice-campeonato brasileiro. Camisa 10, era o grande articulador daquele time. E, assim como Fernandinho, também foi para o Shakthar Donetsk, da Ucrânia, negociado por R$ 32,6 milhões. A diferença é que ele foi embora já no final de 2004.

No total, passou sete temporadas e meia na Europa. Atuando por lá, alcançou a seleção brasileira, disputando a Copa América de 2011. Mas depois retornou ao Brasil, para defender o São Paulo, em 2012 e 2013 – quando jogou a Copa das Confederações – e o Corinthians, no qual foi campeão brasileiro em 2015.

Depois, foi para o Tianjin Tinhai, da China, mas no ano seguinte retornou ao Corinthians, onde novamente levantou o Brasileirão, em 2017. Ficou por lá até o final de 2019 e atualmente está sem clube.

Santos

Santos é o goleiro titular do Furacão. Foto: Albari Rosa/Foto Digital/Tribuna do Paraná

Das maiores revelações do Rubro-Negro, Santos ainda é o único que segue no clube. O arqueiro chegou ao Athletico em 2008, quando tinha apenas 18 anos. Subiu para os profissionais em 2011, mas só se firmou mesmo em 2018, quando virou titular após a saída de Weverton.

Em pouco mais de dois anos, virou herói nas conquistas da Copa Sul-Americana de 2018 e da Copa do Brasil 2019 ao pegar pênaltis importantes nas campanhas, além de defesas decisivas neste período. Tanto que recentemente passou a ser chamado por Tite para a seleção brasileira.

+ Mais do Furacão:

+ Conheça oito promessas do Athletico que já fazem parte do time principal
+ Athletico consegue vitória na disputa com prefeitura por obras da Arena
+ Petraglia elogia MP, Flamengo e abre o jogo sobre o Athletico


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?