O Athletico está banido pela Fifa de registrar jogadores pelas próximas duas janelas de transferências, o que corresponde a um ano. A punição é decorrência da contratação do atacante Rony, que deixou o Albirex Niigata, do Japão, para atuar pelo Furacão, em 2018. A informação foi publicada inicialmente no GloboEsporte.com.

O atleta também foi punido pela Câmara de Resoluções de Litígio da entidade. Vendido ao Palmeiras pelo Rubro-Negro por cerca de R$ 28 milhões, no início do ano, Rony não poderá atuar por quatro meses. O Athletico se diz surpreso com a decisão da Fifa e anunciou que vai recorrer.

+ Cristian Toledo: Furacão perde muito com decisão da Fifa

As punições já estão valendo. Além da suspensão, o jogador foi multado em US$ 1,3 milhão, aproximadamente R$ 7 milhões, montante que o Athletico responde solidariamente. Clube, Palmeiras e Rony ainda podem recorrer da decisão imposta pela Fifa e também tentar um efeito suspensivo.

“A suspensão é de um ano para o Athletico porque, na verdade, são duas janelas sem poder registrar atletas. Essa próxima janela que abre no Brasil eles não vão poder registrar tanto em nível nacional quanto internacional. E também a janela do ano que vem, que normalmente vai até maio”, explicou Breno Tannuri, advogado que representa o Albirex Niigata.

“A multa está dentro do padrão aplicado pela Fifa. Os dirigentes do Albirex não estão nem cientes do que está acontecendo porque estão dormindo. Tão logo acordem, vamos analisar se vamos tentar uma multa maior ou aceitar a decisão proferida pela Fifa”, complementou Tannuri.

“Em relação à apelação, eles devem tentar a Corte Arbitral do Esporte (CAS), o Albirex também pensa em apelar. Acho que o valor é bem aquém do que o o clube imaginava. É um valor razoável, mas abaixo do que se imaginava em face da transferência do Rony (para o Palmeiras) ter alcançado 2 milhões de euros. É algo que vamos apreciar amanhã (terça-feira), sem dúvida”, apontou o advogado do clube japonês.

A reportagem tentou contato com Marcos Motta, advogado do Furacão, mas não obteve resposta até a publicação do texto. O presidente do clube, Mario Celso Petraglia, também foi procurado, sem sucesso.

Entenda o caso

Em maio de 2018, Rony entrou com uma ação na Fifa pedindo liberação para assinar com outro clube, apesar do imbróglio judicial com o Albirex Niigata. O clube asiático acusou o atacante de ignorar um contrato de três anos assinado em fevereiro de 2017, mas o atacante não reconhece este vínculo.

Em janeiro de 2017, quando ainda possuía contrato com o Cruzeiro, Rony foi emprestado ao Albirex por um ano, em um investimento de R$ 4 milhões. No entanto, os japoneses alegam ter outro contrato assinado com o jogador desde fevereiro de 2017, com validade de três anos. Os representantes do atleta não reconheceram este acordo.

+ Mais do Furacão:

+ Athletico tem reunião com a Turner nesta semana
+ Coritiba perde na Justiça caso do “Atletiba do Youtube”


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?