Foto: Marcelo Campos/Vipcomm

Ramon foi bem marcado por Roger e pouco pôde fazer em campo. Foi substituído no segundo tempo.

O Atlético já contava com o empate no encharcado Beira-Rio, ontem. Mas uma marcação equivocada do árbitro Luís Antônio Silva Santos tirou o ponto do Furacão. O Internacional venceu por 1×0, e segue subindo no campeonato brasileiro. Em contrapartida, a derrota mantém o rubro-negro muito perto das últimas posições.

O ?novo? Atlético, dentro de campo, ainda não era tão diferente da ?era? Antônio Lopes. Pelo contrário: quase todos os que eram criticados quando o Delegado estava na Baixada eram titulares no Beira-Rio. Edno seguia como lateral-esquerdo, Claiton e Erandir no meio-campo e Marcelo Macedo no ataque. Só Dinei acabara sacado por Ney Franco -mas ele entrou na segunda etapa.

Mas o time não mudara sua atitude. Continuava tímido, sem oferecer perigo ao adversário. Nem se pode dizer que o estado do gramado atrapalhava, porque o Atlético sequer se apresentava no ataque. Para o Inter, sim, o dilúvio de Porto Alegre era um empecilho. Mesmo assim, o domínio colorado era total. As chances se sucediam – parte pela pressão dos donos da casa, parte pelas trapalhadas do sistema defensivo do Furacão.

A fraca atuação do primeiro tempo impediu que o Atlético aproveitasse os pontos falhos do Inter – a improvisação de Wellington Monteiro na lateral direita; as subidas de Roger pelo meio, desguarnecendo o setor; e a lentidão de Sidnei e Índio no miolo da zaga. Eram mais nítidas as falhas rubro-negras: o isolamento de Ramon; a falta de função de Claiton; o desencontro defensivo; a má jornada de Marcelo Macedo; e o desperdício da qualidade do improvisado Ferreira.

O Furacão voltou para o segundo tempo com novas orientações de Ney Franco. ?Temos de acertar o posicionamento?, avisou o treinador. Mas o time continuou acuado, correndo risco a todo instante – a rigor, Clemer só fez uma defesa no jogo inteiro. Viáfara era uma no cravo (linda defesa em chute de Christian), outra na ferradura (bateu roupa num chute de Alex).

A situação se complicou com a expulsão de Rhodolfo, aos 17 minutos, após falta dura em Alex. Antônio Carlos estreou, entrando na vaga de Ramon, para rearrumar o setor defensivo.

O Atlético resistiu até os 43 minutos, quando Erandir fez falta em Roger. O lance foi fora da área, mas Luís Antônio Silva Santos erradamente marcou pênalti, revoltando os jogadores do Furacão. Na cobrança, Alex converteu, dando a vitória ao Inter. E mantendo o rubro-negro perto da zona de rebaixamento.

CAMPEONATO BRASILEIRO

2º Turno – 21ª rodada

INTERNACIONAL 1×0 ATLÉTICO

INTERNACIONAL

Clemer; Wellington Monteiro, Índio, Sidnei e Rubens Cardoso (Wellington, 28 do 2º); Edinho, Magrão (Jonas, 22 do 2º), Alex e Roger; Iarley (Christian, 26 do 1º) e Adriano.

Técnico: Abel Braga

Atlético

Viáfara; Jancarlos, Danilo, Rhodolfo e Edno; Alan Bahia, Erandir (Pedro Oldoni, 45 do 2º), Claiton e Ramón (Antônio Carlos, 17 do 2º); Ferreira e Marcelo Macedo (Dinei, 17 do 2º).

Técnico: Ney Franco

Súmula

Local: Beira-Rio (Porto Alegre-RS)

Árbitro: Luis Antônio Silva Santos (RJ)

Assistentes: Aristeu Leonardo Tavares (FIFA-RJ) e Wagner de Almeida Santos (RJ)

Gol: Alex 44 do 2º

Cartões amarelos: Índio, Wellington, Alex (INT); Erandir, Ramón, Jancarlos, Ferreira, Viáfara, Dinei (CAP)

Cartão vermelho: Rhodolfo

Renda: não divulgada

Público: 13.548 pagantes