O árbitro usbeque Ravshan Irmatov admitiu que errou na vitória do Brasil por 4 a 2 sobre a Itália ao validar o gol de Giorgio Chiellini, depois que já havia apitado um pênalti a favor dos italianos. A informação foi dada pela Fifa na manhã deste domingo em um briefing, relatando com o árbitro confessou o erro em seu relato da partida e mesmo à direção de arbitragem da Fifa.

Ele apitou um pênalti de Luiz Gustavo em Mario Balotelli aos 24 minutos do segundo tempo do triunfo da seleção brasileira em Salvador, no último sábado, pela terceira rodada do Grupo A da Copa das Confederações. Mas, instantes depois, viu que Chiellini conseguiu marcar no rebote e validou o gol.

A confusão foi tão grande que Chiellini nem mesmo acreditava que o juiz havia considerado seu gol e foi para cima do árbitro para se queixar. Ao ver que ele havia desistido do pênalti, saiu comemorando. Nesse momento, foi a vez dos brasileiros partirem para cima de Irmatov, alegando que haviam escutado o apito.

Segundo a Fifa, Irmatov preferiu admitir o erro e não tentou dar justificativas. Apenas explicou que, ao assoprar o apito e marcar o pênalti, viu que o gol poderia ainda ser feito. Ao ver que a bola tinha entrado, optou pelo gol. “Foi um erro técnico”, disse a assessoria de imprensa da Fifa. “Uma vez que assoprou, não da para continuar e dar vantagens”. “Irmatov não quer das desculpas”, disse a assessoria. “Ele admitiu o erro e nós admitimos”.

Esse, porém, não seria seu único erro. No primeiro gol do Brasil, Dante estava em posição de impedimento no início da jogada. O gol de Neymar foi convertido ainda a partir de uma falta que, para os italianos, não existiu. A Fifa não informou se Irmatov será mantido na competição. “Erros são humanos”, declarou a entidade.