O Paraná Clube reassumiu a 8.ª colocação e segue firme no encalço do G4. A distância, a três rodadas do fim do primeiro turno, é de apenas cinco pontos. Na teoria, o Tricolor tem boas possibilidades de superar a marca dos 30 pontos nessa primeira metade da competição e, dependendo dos muitos confrontos diretos de seus rivais, até reduzir a diferença para a zona do acesso.

Ricardinho ainda busca a formação ideal e admite que as mudanças efetuadas nas últimas rodadas foram necessárias para “mexer com o grupo”, num momento importante da competição. “Não posso ficar apenas observando passivamente. Mudar depois que as derrotas acontecem, é perda de tempo”. O técnico entende que a utilização de Fernandinho mais à frente era uma necessidade. “Assim, melhoramos a marcação com o Wendell Borges e não perdemos a qualidade do Fernandinho na frente”, justificou.

O treinador deu a entender que a equipe utilizada no último sábado poderá ser repetida amanhã, no jogo contra o Ipatinga, no interior mineiro. “O ideal é você ter uma equipe-base para todos os jogos, não importando o local da partida. Busco isso. Mas, se percebemos que as coisas não estão saindo do jeito que queremos, a alternativa é mudar”, emendou Ricardinho, dando mostras, mais uma vez, de que tem o grupo “nas mãos”. O Tricolor encara Ipatinga e ASA fora de casa.