Criticado e “divorciado” da própria torcida, que começou o ano com ataques ao técnico Oswaldo de Oliveira e a certos jogadores, o unido grupo do Botafogo comemorou a conquista da Taça Guanabara com o mesmo fervor com que comemoraria o título do Campeonato Carioca. Trata-se apenas do primeiro turno do Estadual, mas a festa é justificada. Além de garantir vaga antecipada numa possível decisão do campeonato, os comandados de Oswaldo refizeram os laços de confiança com as arquibancadas.

“Tem que haver essa comunhão, essa cumplicidade. Hoje este entendimento (entre time e torcida) foi perfeito”, comemorou Oswaldo. “É claro que o resultado interfere diretamente nisso. Esse elo de confiança foi solidificado. Dá muita confiança ao time e à torcida.”

Medalha no peito, o treinador botafoguense estava eufórico. “Olha o meu celular, tem mensagem até do Japão”, vibrou Oswaldo, com o telefone erguido como um troféu.

A alegria era tamanha que funcionários da federação carioca (Ferj) se desentenderam com funcionários do Botafogo, que invadiram o campo ao apito final. O presidente Maurício Assumpção incentivou que todos fossem comemorar com os jogadores. Houve tumulto durante a entrega da taça e o presidente da Ferj abandonou a cerimônia irritado. “Depois dizem que a federação é uma bagunça”, bradou Rubens Lopes.

Conflito ignorado pelos alvinegros, que queriam mais era saudar os torcedores. Seedorf percorreu o setor botafoguense do estádio para agradecer o incentivo das arquibancadas, que por tantas vezes se voltou contra o próprio time durante o primeiro turno.

“Sabíamos que com o passar do tempo a vantagem do empate do Vasco poderia passar a nosso favor. Se marcássemos um gol no fim, como aconteceu, haveria pouco tempo para que eles reagirem”, disse o holandês. “Não perdemos a calma e conseguimos vencer um torneio muito importante.”

A opinião do líder do grupo foi compartilhada pelo técnico, que elogiou a tranquilidade de seu time mesmo quando os segundos corriam na etapa final. Para Oswaldo, o triunfo na Taça Guanabara definitivamente enche de confiança o elenco.

“Antes diziam que não vencíamos clássicos, que não éramos campeões no Engenhão. Dobramos para valer o Cabo da Boa Esperança”, decretou, em referência a longos jejuns superados pelo grupo. No ano passado, o Botafogo venceu a Taça Rio contra o mesmo Vasco em seu estádio, mas perdeu a decisão do Carioca para o Fluminense.

Desta vez, Oswaldo e o seus homens esperam que o capítulo final do Estadual 2013, para o qual o Botafogo já tem posto garantido, também traga os mesmos sentimentos deste domingo.