Autor do primeiro gol na vitória da Ponte Preta em cima do Londrina, por 3 a 1, no estádio Moisés Lucarelli, Renato Cajá ganhou elogios públicos do técnico Gilson Kleina. Titular nas quatro últimas partidas, o meio-campista balançou as redes pela primeira vez nesta sua quinta passagem pelo clube e, aos poucos, diminui a desconfiança perante parte da torcida.

“Trabalhamos juntos em 2017. Desta vez, ele veio com fome. Sempre foi grande jogador. É um craque do elenco e atleta diferenciado. Quando chama a responsabilidade, se compromete e se concentra, pode fazer toda a diferença”, enalteceu o comandante.

O armador de 35 anos, agora, chega ao 44º gol em 169 jogos pelo clube. Em alta, o camisa 10 mudou o patamar de criação do time na Série B. Prova disso é que, com ele em ação, o time campineiro fez gol nos quatro jogos.

A principal preocupação da comissão técnica e do departamento médico é a condição física de Cajá. Até pela idade, o planejamento inclui que o atleta, emprestado pelo Juventude até o fim do ano, seja preservado em alguma partida. Rafael Longuine, recuperado de lesão muscular, é a opção imediata no meio-campo.

De volta ao caminho das vitórias, a Ponte Preta reduziu de quatro para três pontos a distância em relação ao G4, agora com 38 pontos, em nono lugar. Sem vencer há quase dois meses como visitante, o time campineiro visita o Oeste, na sexta-feira, a partir das 21h30, na Arena Barueri, em confronto válido pela 28ª rodada.