Foi nítido o clima pesado nas Laranjeiras nesta sexta-feira, durante o treino do Fluminense, depois do vexame da noite anterior, quando foi goleado por 4 a 1 pela Chapecoense, no Maracanã, pelo Brasileirão. Os reservas entraram em campo praticamente em silêncio e mostrando abatimento, num contraste em relação ao ambiente do clube nas últimas semanas.

Somente um titular participou da atividade desta sexta-feira, comandada pelo técnico Cristóvão Borges: o goleiro Diego Cavalieri. Os demais fizeram exercícios na academia do clube, sem exposição pública. A novidade foi o meia Wagner, que treinou normalmente e pode ser escalado contra o Sport, neste domingo, na Arena Pernambuco – ele desfalcou o time diante da Chapecoense para cumprir suspensão automática.

O atacante Walter, que entrou no decorrer do jogo com o time catarinense, também foi a campo treinar nesta sexta-feira. “É triste, todo mundo saiu do Maracanã abalado. Nosso time lutou até o fim, mas não deu. Contra a Chapecoense, foi aquela partida em que ninguém foi bem. Eu saí muito triste, pois tentei fazer o meu melhor. Temos que levantar a cabeça, pois já tem um jogo domingo e temos de sair com a vitória de lá”, disse o jogador.

Ainda segundo Walter, o Fluminense não desistiu da classificação para a Libertadores – com a derrota, ficou em sétimo lugar no Brasileirão, quatro pontos atrás do Atlético-MG, que abre o G4. “Ainda estamos na briga e pode ter certeza que vamos atrás dessa vaga até o último jogo”, avisou o atacante.