O atual momento não reflete a situação da Ponte Preta na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro. Em 10.º lugar com 16 pontos, seis na frente da zona de rebaixamento, o time campineiro ainda sofre com problemas internos e tenta encontrar paz com uma vitória na partida contra o Coritiba, nesta quarta-feira, às 19h30, no estádio Couto Pereira, em Curitiba, pela 12.ª rodada.

A Ponte Preta tem um retrospecto positivo fora de casa, com apenas duas derrotas em seis jogos. Mesmo assim, o técnico Guto Ferreira tem que fazer malabarismo para apagar incêndios dentro do elenco. Ainda no último domingo, o atacante Borges, principal contratação para o Brasileirão, teria se recusado a entrar contra o Palmeiras e criou um mal estar com o elenco e o técnico.

“Nós somos pessoas maduras, profissionais o suficiente para perceber, dentro do contexto, o que precisamos fazer para o bem da ponte. Problema foi resolvido em forma de diálogo e a situação está totalmente zerada esta situação”, afirmou o treinador, que deve manter o atacante no banco de reservas. Nesta terça-feira, outra complicação. O meia Renato Cajá recebeu uma proposta do Catar, rejeitada pela diretoria.

Dentro de campo, o objetivo é acabar com a série ruim do time, que começou muito bem a competição. Nos últimos cinco jogos (15 pontos), a Ponte Preta ganhou um e empatou outro (somando apenas quatro pontos). Além disso, vem de duas derrotas seguidas para rivais paulistas: Corinthians e Palmeiras.

Em meio a tantos problemas, o treinador terá novidades. O próprio Renato Cajá e Fernando Bob retornam após cumprirem suspensão automática contra o Palmeiras. Biro Biro e Diego Oliveira, poupados, também voltam ao time titular. A grande dúvida está no meio de campo. Josimar está de fora se recuperando de uma virose e não poderá entrar em campo. Vitor Xavier e Juninho brigam pela vaga.