O Estudiantes acertou nesta quinta-feira a contratação do ex-zagueiro Gabriel Milito para o cargo de treinador. Será o primeiro trabalho do ex-jogador da seleção argentina como técnico de um time da primeira divisão, e a oferta só foi aceita depois de muita insistência do presidente Juan Sebastián Verón. O contrato entre o clube de La Plata e Milito é de um ano e meio.

Em meio aos decepcionantes resultados desta temporada, o Estudiantes demitiu esta semana Maurício Pellegrino. Com o cargo aberto, a imprensa argentina garantiu que o clube cogitou a contratação de Alejandro Sabella, ex-técnico da equipe e da seleção argentina, que também interessa ao São Paulo.

No entanto, os próprios jornais argentinos sempre classificaram Sabella como segunda opção dos dirigentes do Estudiantes, atrás justamente de Milito. Com isso, a principal concorrência do São Paulo para ter o treinador continua sendo uma proposta da Europa, já que ele estaria em conversas com o Manchester City.

Milito é sonho antigo de Verón, com quem atuou na seleção argentina. O ídolo do Estudiantes já havia procurado o ex-companheiro para assumir um cargo diretivo na base logo após sua aposentadoria, ainda em 2012. A resposta foi negativa, o ex-zagueiro preferiu esperar e iniciou a carreira de treinador no ano passado, no time reserva do Independiente.

Foi no Independiente, aliás, que Milito ganhou destaque. Revelado pelo clube, atuou no Zaragoza e até no Barcelona, por quatro temporadas, antes de voltar para a equipe de Avellaneda e encerrar a carreira.

No Estudiantes, ele terá a difícil tarefa de reerguer um time que é apenas o 15.º colocado no Campeonato Argentino e está em posição difícil na briga por uma vaga nas oitavas de final da Libertadores. A equipe é a terceira colocada no Grupo 7 do torneio, com sete pontos, e precisa vencer o Barcelona em Guayaquil, terça que vem, para classificar.