O técnico Antônio Lopes teve uma semana de notícias extracampo nada animadoras. Depois da escalação do árbitro Nielson Nogueira Dias para apitar Corinthians x Atlético, a divulgação de que o Santos vai poupar seus jogadores na partida contra o Ceará, amanhã, também não agradou o treinador. Ele ficou irritado com a decisão santista, que quer começar a preservar seus jogadores para o Mundial de Clubes, em dezembro, no Japão.

Para escapar do rebaixamento, o Furacão precisa fazer sua parte no campo, vencendo três dos cinco jogos restantes deste Campeonato Brasileiro, mas também tem que contar com uma mãozinha de alguns rivais que precisam derrubar Cruzeiro, Ceará e, até mesmo, Bahia e Atlético-MG. Para Lopes, a decisão de Muricy atrapalha um pouco esses planos. Assim como o Cruzeiro, o treinador também reclamou da “novidade” santista. “Ouvi o pessoal do Cruzeiro falando que ficou chateado, porque o Santos vai botar time reserva contra o Ceará. O pessoal do Cruzeiro está certo, o Santos não deveria fazer isso”, disse.

Para o treinador, no máximo a equipe paulista deveria poupar alguns jogadores, mas manter quase todo o time principal em campo para não atrapalhar outros clubes. “Tinha que botar o time titular ou, pelo menos, se quisesse, poupar um ou outro jogador como o caso do Neymar. Mas não o time todo. Eles têm que pensar, e sabem disso, que outros clubes estão precisando de um resultado positivo deles”, reclamou.

O zagueiro Fabrício, que volta ao time em substituição ao vetado Manoel, prefere não se envolver em polêmicas e focar somente no Atlético. Para ela, de nada adianta ficar de olho nos adversários se em campo o Furacão não conseguir vencer. “Penso no Atlético. O que os outros times vão fazer cabe a eles resolver. Temos que manter nosso foco e nos preocupar com a gente. Primeiro temos que fazer o nosso e depois nos preocupar com os outros”, afirmou.