Porto Alegre – O presidente do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) do Rio Grande do Sul, Francisco Teixeira de Oliveira, suspendeu o zagueiro Antônio Carlos, do Juventude, por 60 dias. O atleta é acusado de gestos racistas contra o volante Jeovânio, do Grêmio, no domingo passado, em jogo disputado em Caxias do Sul. A decisão é preventiva e atende à denúncia do procurador Alberto Lopes Franco.

Segundo Oliveira, a legislação esportiva brasileira permite uma suspensão preventiva como a que aplicou quando o caso é de grande repercussão. Apesar de rápida, a decisão poderá se tornar sem valor. Antônio Carlos está suspenso no próximo jogo do Juventude, contra o mesmo Grêmio, no domingo, e o julgamento do mérito deve ser marcado para a semana que vem pelo TJD.

O presidente do órgão disse que o jogador pode ser condenado a 540 dias de suspensão do futebol por agressão física. A ofensa por racismo, como o gesto de esfregar o dedo na pele do braço que Antônio Carlos fez, não está prevista no Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

Mas o jogador poderá ser enquadrado por injúria, com pena de até 120 dias.

No Estádio Olímpico, Jeovânio disse que está concentrado para o jogo do Grêmio contra o Piauí, pela Copa do Brasil, e não quis falar sobre o assunto ontem.