Valquir Aureliano
Capitão da equipe neste ano, lateral aguarda uma proposta.

Desde sábado ele não é mais jogador do Coritiba, mas a vontade de renovar o contrato e jogar mais uma temporada no Alto da Glória é grande. Líder da caminhada da volta à 1.ª divisão e do título da Segundona, Ânderson Lima encarnou o espírito da torcida, jogou com raça e não deixou que um grupo de 33 atletas se dispersasse ao longo de 2007. E dificuldades não faltaram, mas a persistência e a preserverança pregadas pelo paulistano, de 34 anos, convenceu a todos e o time acabou campeão. Hoje, na festa dos melhores do ano da CBF, ele irá levantar o troféu da competição. Em entrevista para o Paraná-Online, ele elogia o técnico René Simões apesar de ter ficado na reserva no jogo decisivo contra o Santa Cruz.

Paraná-Online – O que você achou da idéia do técnico René Simões de se fazer uma estátua em sua homenagem?

Lima – O Coritiba teve muito mais ídolos bem mais importante do que eu. Se fosse para fazer uma estátua para cada ídolo, cada jogador que deu sua parcela de contribuição aqui, seria fantástico entrar para esse hall. Mas, como eu sempre falei, desde que cheguei procurei fazer o meu melhor para que a gente pudesse acabar com essa fase do time ½estar na 2.ª divisão.

Paraná-Online – Quando você começou a conversar com o pessoal do Coritiba esperava terminar o ano campeão?

Lima – Sabia que iria ser um desafio muito grande. Quando cheguei havia uma pressão muito grande, todo jogo era uma decisão, e trabalhar com essa pressão é difícil. Então, a gente procurou conversar bastante, principalmente com os jogadores mais novos, que a perserverança e a persistência têm que existir até o final da partida. E foi fundamental esse pensamento, foi fundamental a união da equipe com o torcedor, que entendeu que ele era importante e não era com vaia que ele iria ajudar a equipe a voltar para a 1.ª divisão. A cada jogo no Couto a gente via a força deles e essa força passava para a gente dentro de campo. Não sabia que iria acontecer isso lá no começo, mas a cada dia que a gente vinha trabalhando tinha um objetivo muito claro.

Paraná-Online – Foi essa força que ajudou a superar as dificuldades de início?

Lima – Sem dúvida nenhuma. Dificuldade a gente passa em qualquer clube e eu não acho que tive dificuldade aqui não. De repente, por um jogo ou por uns resultados que não eram favoráveis, tinham que pegar alguma pessoa e, enfim, por ser o mais experiente e capitão da equipe era mais cobrado. Mas, a persistência e a perseverança de saber da sua capacidade foi fundamental naquele momento, e saber que eu era importante para a equipe independentemente de jogar ou estar fora. No decorrer do campeonato, nós fomos nos fortalecendo e isso foi o mais importante nessa trajetória.

Paraná-Online – Qual o momento em que tudo engrenou?

Lima – Acho que na chegada do René. Ele começou a trabalhar mais com a cabeça, os jogadores assimilaram muito mais o trabalho, a gente sentiu que era o momento de se unir e levar o Coritiba para a 1.ª divisão. É claro que não era fácil, não foi fácil, mas a vontade de todos os jogadores de poder marcar história no clube foi importante.

Paraná-Online – E como foi liderar o Coxa?

Lima – Para mim não foi fácil. Claro que é uma responsabilidade que você pega, que é muito difícil, ainda mais jogando num grande clube. Mas eu tive o apoio de todos os jogadores, desde os mais novos até o mais velho, que é o Veiga. Tive a capacidade de administrar tudo isso com a força deles. É como eu sempre falo: liderança não se compra, se conquista. Graças a Deus, em mais um clube eu conquistei a confiança de todos os meus companheiros e isso me deixa mais feliz. Eu posso dizer que, aos 34 anos, esse grupo que a gente formou aqui foi maravilhoso. Fui campeão em outros clubes, mas esse grupo se gosta, são 33 jogadores que se gostam e não tivemos um atrito durante o ano inteiro.

Paraná-Online – E em 2008?

Lima – Eu penso em permanecer no Coritiba, até porque quando você está feliz num lugar, você não troca. Quando você está feliz com sua esposa, você fica para o resto da vida. Temos que ver como vai ficar, vai Ter eleição agora, então temos que esperar todo esse momento do Coritiba para ter uma reunião, sentar e acertar para o ano que vem.