Os principais veículos de comunicação na Alemanha demonstraram respeito com o massacre da seleção do país sobre o Brasil em Belo Horizonte, há exatamente um ano, e cuidaram nesta quarta-feira de outra efeméride. O aniversário de 25 anos do tricampeonato mundial em 1990, na Itália, teve muito mais espaço do que o primeiro aniversário da vitória por 7 a 1 pela semifinal da Copa do Mundo.

No Bild, jornal mais popular do país, o feito no Mineirão foi ignorado. O veículo publicou uma entrevista com Andreas Kopke, preparador de goleiros da seleção alemã, mas que falou somente sobre a conquista de 1990, quando era reserva.

O Twitter da Federação Alemã fez uma retrospectiva oficial sobre a vitória por 1 a 0 sobre a Argentina, em Roma, na decisão do Mundial em 1990. O órgão escreveu como se fosse em tempo real os lances mais importantes.

Somente em seu site a Federação relembrou o episódio, ainda em tom comedido. “Os 90 minutos foram históricos em Belo Horizonte e o jogo pelo menos produziu um ponto de virada para o futebol no Brasil”.

Poucos alemães presentes em campo nos 7 a 1 comentaram o episódio. Nem mesmo o atacante Lukas Podolski, famoso pela participação frequente nas redes sociais durante a Copa, tocou no assunto.

“Um ano atrás: uma das partidas mais memoráveis da história do futebol. Ficamos um passo mais perto do nosso sonho”, escreveu Toni Kroos, autor de dois gols na vitória. “O placar final contra o Brasil foi 7 a 1, Klose se tornou o maior artilheiro da história das Copas. O título estava ao alcance”, comentou Bastian Schweinsteiger.