Preparado. É assim que o ministro do esporte Aldo Rebelo enxerga o Brasil às vésperas de receber a Copa do Mundo. Em entrevista à Rádio Estadão, ele se mostrou otimista com o fato de o País ser sede de um evento “disputado por todos”, negou temer qualquer tipo de protesto contra o governo de Dilma Rousseff e destacou o grande número de turistas no Brasil para acompanhar o maior torneio do futebol mundial.

“A Copa do Mundo é um evento desejado por qualquer país. A disputa é muito grande para sediar a Copa. Todos querem receber os maiores times e jogadores do mundo. São bilhões de pessoas acompanhando a Copa. Na última edição, na África (do Sul, em 2010), seis bilhões de pessoas assistiram à final e a nossa expectativa é aumentar ainda mais esse número”, comentou, em tom bastante animado.

O ministro também aproveitou a oportunidade para defender a presidente Dilma, que na terça-feira não compareceu ao Congresso Anual da Fifa, uma espécie de introdução feita pela entidade para a Copa do Mundo. “A Dilma não foi no evento porque ao mesmo tempo ela tinha um compromisso partidário. E como ela não podia, eu fui representá-la”, disse, desconversando sobre um possível discurso dela no jogo de abertura da Copa, disputado entre Brasil e Croácia, nesta quinta-feira, no Itaquerão. “O combinado é a presença dela como um chefe de Estado. Ela fazer um discurso ou não, não é um protocolo que é obrigatório nesse tipo de evento.”

E, apesar de não temer, Aldo Rebelo admitiu que podem haver protestos contra o governo, mas fez um alerta: para reivindicar, não é preciso utilizar violência. “Os protestos que terminam com violência acabam afastando as pessoas das ruas. As pessoas quando vão para as ruas são por uma causa e não para cometer crimes.”

Sobre o número de turistas que visitarão o Brasil durante a Copa, o ministro disse que o País vai superar a expectativa inicial que era de cerca de 600.000. “Aumentou bastante a procura não só para hotéis e passagens de aviões, mas também o número de vistos para entrar no Brasil. Pode haver mais de 200.000 argentinos só no Rio Grande do Sul. Se basear apenas nas compras de ingressos é muito pouco para saber o número de turistas que virão ao Brasil para acompanhar a Copa e eu acredito que o número pode ultrapassar 800.000 turistas”, comentou o entusiasmado ministro, que acredita que a seleção brasileira vai chegar até a final da Copa e terá como adversário Argentina ou Espanha.