Ígor será uma das novidades
no jogo de hoje à tarde.

Não houve tempo para comemorações. Apesar do alívio com a recuperação dos seis pontos no Superior Tribunal de Justiça Desportiva, o Coritiba só pensa na Ponte Preta, adversário das 16h, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.

E, dentro de campo, o técnico Antônio Lopes enfrenta os mesmos problemas das últimas partidas: os melhores jogadores da equipe seguem desfalcando o time.

E, como se fosse praga, a dificuldade só aumenta. “Pensei que nesse jogo teria mais peças para compor o time, mas ficou pior”, confessa o treinador coxa. É verdade: para o jogo contra a Ponte, são seis desfalques. Estão fora os principais destaques individuais (Aristizábal, Luís Mário, Tuta e Adriano), a grande revelação da temporada (Miranda) e a primeira opção para o meio-campo (Rodrigo Batata).

Seis jogadores que fazem muita falta. Mas Lopes tenta não pensar nos que estão fora. “Eu não posso ficar lamentando, porque isso vai nos atrapalhar. Vou dar confiança para a garotada, e para os que vão entrar no jogo”, avisa o técnico, que opta por uma formação tática semelhante à que vem sendo usada nos últimos meses. “Não vou mudar, só vou adaptar algumas coisas por causa da forma de jogar do nosso adversário”, explica.

Chance para Danilo na defesa, Ígor no meio-campo e Josafá no ataque. Este último é uma das esperanças de Antônio Lopes neste jogo. “Ele está no seu melhor momento, e espero que comece a mostrar o que eu vi ele fazer no Rio”, aposta o técnico. “A única coisa que eu posso fazer é jogar bem. Só assim posso retribuir o que o professor Lopes faz por mim”, diz o atacante, que apesar das críticas tem o apoio da comissão técnica.

Josafá é uma peça decisiva da engrenagem coxa em Campinas, assim como os armadores Ígor e Luís Carlos Capixaba. A intenção de Lopes é trabalhar a bola e não desperdiçar contra-ataques. “Em um campo de dimensões menores, como o da Ponte, não podemos falhar nesses lances”, avisa o “delegado??. “A gente trabalhou bastante isso, e temos a consciência do quanto será importante esse tipo de jogada”, confirma Ígor.

Tal iniciativa tática ganhou mais força com a recuperação dos pontos no “tapetão??. “Antes a gente jogaria no desespero. Agora o contexto é outro, temos mais tranqüilidade”, resume o capitão Reginaldo Nascimento. Mas Antônio Lopes mantém o pensamento de trazer três pontos do interior paulista. “Temos essa possibilidade, e não vamos tirá-la da mente. Vamos atacar e buscar os gols”, finaliza.

Ponte busca a reabilitação

A Ponte Preta busca a reabilitação no campeonato brasileiro contra o Coritiba. O time campineiro quer aproveitar o apoio da torcida para somar sua terceira vitória em casa e esquecer a derrota por 3×0 para o Palmeiras. O técnico Estevam Soares aproveitou a semana de folga na tabela para trabalhar bastante a parte tática e técnica. Exigiu mais concentração do time, que tem em seu jogo solidário o maior trunfo para superar os adversários.

O time sofrerá duas mudanças forçadas pelas expulsões do lateral-esquerdo Bill e do volante Marcos Vinícius. O time manterá o esquema 3-5-2, mas agora com um zagueiro na sobra. Marcos Vinícius atua na frente da defesa, quase como um zagueiro. Em seu lugar entra Rafael Santos. Pela esquerda, a opção foi a improvisação do meia Terrão, que tem entrado bem durante os jogos e mostrou bom aproveitamento nos treinamentos.

CAMPEONATO BRASILEIRO
PONTE PRETA X CORITIBA

Ponte Preta: Lauro; Gustavo, Alexandre e Rafael Santos; André Cunha, Ângelo, Romeu, Vânder e Terrão; Weldon e Anselmo. Técnico: Estevam Soares

Coritiba: Fernando; Jucemar, Danilo, Reginaldo Nascimento e Ricardo; Márcio Egídio, Ataliba, Luís Carlos Capixaba e Igor; Josafá e André Nunes. Técnico: Antônio Lopes

Súmula
Local:
Moisés Lucarelli (Campinas-SP)
Horário: 16h
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (FIFA-RS)
Assistentes: Altemir Hausemann (FIFA-RS) e José Javel Silveira (RS)