O São Paulo está tendo de lidar com uma polêmica entre o presidente Carlos Miguel Aidar e o atacante Luis Fabiano. O dirigente falou sobre o futuro do camisa 9 no clube e avisou que não colocaria obstáculos para uma possível saída do atleta. O jogador não gostou dos comentários, retrucou, mas depois o cartola fez questão de esclarecer o que ele chamou de mal entendido.

“As minhas declarações foram distorcidas. Não falei que estava dispensando o Luis Fabiano, de jeito nenhum. Falei que se ele quisesse ir para um time de fora, o São Paulo não poderia dificultar porque ele é um ídolo. Já havíamos perdido um ídolo e seria muito dolorido perder outro ídolo, mas minha declaração foi distorcida. Tenho profundo respeito e grande admiração pelo Luis Fabiano. Ele ainda vai dar muita alegria para a gente”, avisou Aidar.

No desembarque da equipe após a vitória de virada sobre o Danubio por 2 a 1, que deixou o time em boa situação na Copa Libertadores e dependendo apenas das próprias forças para avançar à próxima fase, Luis Fabiano não quis falar. Ele tirou fotos com torcedores, distribuiu autógrafos, mas não se pronunciou a respeito. Já Aidar explicou que nem foi preciso ter uma conversa particular com o artilheiro. “Não foi necessário. O clima no grupo está ótimo”, disse.

Como Pato não pode enfrentar o Corinthians na última rodada da Libertadores, por questões contratuais, Luis Fabiano deve ser o substituto natural do titular. Por isso, para a comissão técnica é fundamental que o Fabuloso esteja tranquilo. O próprio Pato lamentou não poder enfrentar seu ex-clube. “É complicado, queria enfrentar o Corinthians porque estou numa fase boa e queria ajudar meus companheiros. Infelizmente não vou poder, mas quem o professor escalar vai ajudar e fazer gols para nos classificar.”