Paris – Sem as condições físicas ideais, Gustavo Kuerten vai usar uma tática agressiva na sua estréia de Roland Garros 2004. O tenista brasileiro sabe que não pode ficar trocando bolas com o jovem espanhol Nicolas Almagro, de apenas 18 anos. Vai para o tudo ou nada desde o início da partida. Quer investir no que já foi o seu grande trunfo: os winners, ou seja, as bolas vencedoras, sempre buscando as linhas em golpes violentos.

“É o meu estilo”, explicou Guga. O seu jogo será na quadra 3 e deve começar por volta das 11h (de Brasília). Um pouco antes, aproximadamente às 10h, Flávio Saretta desafia o ex-campeão do torneio, o espanhol Albert Costa na quadra 7.

E Ricardo Mello, depois das boas vitórias no qualifying, caiu na primeira rodada da chave principal ao perder para o holandês Raemon Sluiter por 7/5, 6/1, 3/6 e 6/1.

“O tênis hoje é mais físico do que técnico”, analisou Guga, em uma longa conversa descontraída, ontem, em Roland Garros. “Não tenho do que reclamar da minha parte técnica, mas se ficar por muito tempo na quadra, as dores no quadril podem me prejudicar e tudo fica mais difícil.” Guga sabe que seu adversário, Almagro (número 130 do ranking mundial) vai também para um tudo ou nada, pois não tem o que perder. É um jogador que está no seu primeiro ano como profissional e buscando resultados significativos. “Hoje em dia não se pode dar nenhuma oportunidade. Viram o que aconteceu com o Agassi e o Gonzalez (ambos perderam na estréia). Por isso, vou ter de tentar me impor desde o começo”, revelou o brasileiro.

Para não criar muitas expectativas, Guga confessou que tem esperanças de estar em condições físicas bem próximas do ideal e capaz de jogar novamente no nível de antes da cirurgia dentro de uns três meses.

Páreo duro

Sem problemas físicos, mas diante de um adversário forte, Flávio Saretta espera poder colocar em prática sua tática preferida, o contra-ataque. Ele fez bons treinos em Paris e está bem preparado. “Vou jogar ponto a ponto e acredito que possa vencer o Costa”, revelou.

Ricardo Mello não se deu bem na estréia. Seu adversário, o holandês Raemon Sluiter usou a força de seu saque para dificultar bastante a atuação do brasileiro.

Outros

Na rodada de hoje, o campeão do ano passado, Juan Carlos Ferrero, apesar das dores na costela, vai enfrentar o alemão Tommy Haas, num dia em que estarão em quadra Roger Federer diante de Kristof Kliegen, Serena Williams com Iveta Bensova e Venus Williams com Tamarine Tanasugarn.

Agassi diz adeus ao Torneio

Paris – Carismático, dono de oito títulos de Grand Slam, uma das maiores estrelas da história do tênis, Andre Agassi disse um melancólico adeus a Roland Garros, onde ergueu o troféu dos mosqueteiros em 1999. Com 34 anos, sem ter feito uma boa preparação para uma das mais exigentes competições do tênis, perdeu logo na primeira rodada para o desconhecido francês Jerome Hachnel, apenas o número 271 do mundo, por 6/4, 7/6 (7/6) e 6/3. E o pior é que esta pode ter sido a sua última partida no torneio, pois não garantiu voltar no ano que vem, acenando com uma aposentadoria ao final da temporada.

“É difícil garantir que irei voltar no próximo ano”, avisou Agassi. “As chances diminuem a cada ano, com certeza, ainda mais com uma derrota como esta.”

Agassi deixou esperanças para a torcida, ao revelar-se motivado a disputar os torneios de Wimbledon e o US Open, em quadras rápidas, onde a exigência física não se compara a um Grand Slam no saibro. “Não me senti nem um pouco a vontade em quadra. Nem achei os golpes certos”, disse o norte-americano, que semana passada perdeu na estréia do torneio de St. Poelten, na Áustria.

Outro que esperava ir longe em Roland Garros e caiu na estréia foi o chileno Fernando Gonzalez, ao perder para Florian Mayer por 6/7 (7/4), 6/1, 6/0 e 7/6 (7/5). Guillermo Coria aproveitou-se da contusão de Nikolay Davydenko e afugentou um fantasma ao vencer por 6 /4, 6/2 e 6/0; Andy Roddick ganhou de Todd Martin por 7/6 (7/5), 6/4 e 7/5.