O Cruzeiro chegou ao clássico contra o Atlético-MG, nesta segunda-feira, precisando de uma vitória para ainda sonhar com uma vaga na Libertadores do ano que vem. A equipe azul abriu o placar logo no início, mas depois sofreu com contusões e teve que se virar para segurar o triunfo por 1 a 0. Por isso, o técnico Adilson Batista acredita que o principal fator para o resultado positivo foi a “superação” dos jogadores.

“Foi um jogo de superação, com todas as dificuldades, jogadores sentindo dor, duas trocas por lesão, do Wellington (Paulista) e do Gilberto. Isso acaba sobrecarregando determinado setor e você tem que tentar corrigir”, disse o treinador, que colocou Guerrón e Elicarlos em campo como substitutos. “O importante foi que eles se entregaram. Estão de parabéns o torcedor e os atletas pela dedicação e o empenho”, continuou Adilson.

Para o técnico cruzeirense, apesar de sua equipe ser pressionada, o adversário não mereceu o empate. “O Atlético-MG trabalhou, teve posse, mas alçou. Chances reais de gol, não. Só bola aérea”, alegou Adilson. “Não fizemos um grande jogo, mas vencemos e demos um passo importante na busca do objetivo”, destacou o treinador, que agora vê o Cruzeiro na sétima posição do Brasileiro, com 42 pontos, a cinco do rival mineiro, primeiro time no G-4.