Absolvido das acusações de doping pelo Tribunal Arbitral de Esportes (CAS) da Fifa, o ex-jogador Deco agora está tranquilo. Após encerrar a carreira em setembro de 2013, e sofrer com a situação, o craque, que atuou em clubes como Barcelona, Porto, Corinthians e Fluminense, foi até as últimas instâncias para provar aquilo que ele já sabia: que não havia consumido nenhuma substância ilícita.

“Foi feita uma análise no laboratório da Fifa e foi dado negativo. Não teve doping nenhum. Então a análise do laboratório, do Ladetec, é que foi o erro”, afirma Deco, criticando o aquele que até então era o único no Brasil autorizado pela Wada, a Agência Mundial Antidoping, a fazer os testes.

Apesar de ter sido absolvido, Deco teve prejuízos pelo erro do laboratório. “Lógico que eu perdi muitas coisas. Na época eu estava jogando e talvez isso possa ter ajudado a antecipar o fim da carreira. Perdi contratos. Perdi coisas. Isso não pode acontecer com erro. Eu sei exatamente o que eu usei durante toda a minha carreira. Ou era um problema da farmácia que fez as vitaminas ou um erro de analise da urina”, falou.

O Ladetec foi descredenciado pela Wada em 25 de setembro de 2013, meses depois de ter emitido o parecer sobre o suposto doping de Deco. O motivo da punição foi justamente uma sequência de erros.

“Eu fui até o final para provar sabendo aquilo que eu tinha feito, que eu não tinha tomado nada demais, que não tinha tomado nada proibido, mas acho que mais do que só provar o erro, acho que fica uma mágoa não só no meu caso, mas principalmente de outros atletas que também devem ter sido diagnosticados o doping com erros de analise”, lamentou.

Deco foi inicialmente condenado pela STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) a um mês de suspensão e chegou a voltar a jogar. Após encerrar a carreira, acabou sendo novamente julgado e levou uma pena maior.