A eliminação da Taça Guanabara, com a derrota para o Vasco no sábado, não estava nos planos do Fluminense. Mas o técnico Abel Braga procurou ver a queda no primeiro turno do Campeonato Carioca pelo lado positivo. Depois da partida desta quarta-feira, contra o Huachipato, no Engenhão, pela quarta rodada do Grupo 8 da Libertadores, o time ficará 10 dias sem jogos, até a estreia na Taça Rio, marcada para 17 de março, contra o Audax. Período importante para recuperar energias e os jogadores machucados.

“O elenco mostrou que está bem fisicamente encarando toda essa maratona. Após a quarta-feira, vamos ter mais de um mês sem Libertadores (joga apenas no dia 10 de abril, contra o Grêmio) e utilizar sempre o que tivermos de melhor, sem necessidade de poupar jogadores (no Campeonato Carioca). Para nós será boa essa pausa”, comentou Abel.

De fato, o desgaste das últimas semanas cobrou a conta na forma de uma lesão muscular do zagueiro Anderson. Ele sofreu um estiramento grau 1 na coxa esquerda durante o revés por 3 a 2 para o Vasco. Por política, o Fluminense não informa prazo para volta, mas tais lesões costumam tomar pelo menos duas semanas de recuperação.

Por outro lado, o zagueiro Leandro Euzébio, desfalque contra o Vasco, se recuperou de dores no tornozelo esquerdo e treinou nesta segunda-feira na reapresentação do elenco. O lateral Wellington Silva, que teve descartada uma suspeita de fratura no pé esquerdo, também trabalhou com o grupo.

Dessa forma, Abel deverá promover apenas uma mudança na equipe que encara o Huachipato nesta quarta-feira. No lugar de Anderson, Leandro Euzébio faz seu retorno, se demonstrar boa condição física no treino desta terça. Do contrário, Abel pode utilizar Digão na posição.

Com seis pontos, o Fluminense lidera sua chave na Libertadores. O que pode mudar na noite desta terça-feira, quando o Grêmio recebem o Caracas em Porto Alegre. Como ambos têm três pontos, um empate é bom resultado para o time carioca.