No Brasil, mais de 1,6 milhão de pessoas têm doenças nas quais ocorre perda da função cerebral

Perda de memória, do raciocínio lógico, dificuldade para a execução de algumas tarefas e desorientação no tempo e no espaço são alguns dos problemas cognitivoscausados por doenças que afetam o cérebro. Esses sinais e sintomas, que interferem diretamente na qualidade de vida, são conhecidos como demência, uma condição na qual ocorre perda da função cerebral

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que o quadro afeta 50 milhões de pessoas globalmente e, no Brasil, 1,6 milhão, números que têm crescido com o aumento da longevidade da população. As doenças de Parkinson, Cerebrovascular e de Alzheimer, que são neurodegenerativas, estão entre as principais causadoras da demência, sendo a última a mais frequente. Representa cerca de 50% a 70% dos casos, que são mais comuns acima dos 65 anos, mas pode surgir em pessoas mais jovens. 

E neste cenário a sociedade e a família, que têm papel fundamental na atenção ao idoso, precisam estar bem informadas e aprender cada vez mais a conviver com essa condição, que não tem cura

Processo gradativo 

A Doença de Alzheimer afeta o funcionamento do cérebro de modo contínuo. Esse processo pode ser dividido em três fases: inicial, moderada e grave. Na primeira, aparecem ocorrências como lapsos de memória para acontecimentos recentes, esquecimento de compromissos ou do local de objetos, além de alterações de humorcomportamento e personalidade

A intermediária já evidencia perda significativa de memória e agravamento dos sinais anteriores, incapacidade para se comunicar adequadamente e reconhecer pessoas próximas, havendo necessidade de assistência para atividades cotidianas, como tomar remédios e banho.  

Já na fase grave, geralmente a pessoa fica acamadatem perda de memória praticamente totalquase não fala e precisa de acompanhamento 24 horas

É importante ressaltar que nem toda perda de memória é Alzheimer. Por isso, é vital que um especialista seja consultado. E que, mesmo nos quadros graves, o desenvolvimento da medicina tem proporcionado que os pacientes tenham uma sobrevida maior

Existe o tratamento farmacológico, com o uso de medicamentos, e medidas que podem ser adotadas, como hábitos alimentares mais saudáveis, prática regular de atividades físicas e cognitivas, e também sociais e de lazer.  

Os remédios têm o objetivo de inibir a degradação da acetilcolina, um neurotransmissor usado como mensageiro químico pelos neurônios, pois acredita-se que parte dos sintomas decorra da diminuição dessa substância presente no cérebro. Eles podem estabilizar em parte a progressão da demência, tornando-a mais lenta e conservando a cognição por mais tempo. A resposta, entretanto, é individual e pode ser muito variada. Destaca-se mais uma vez, portanto, a importância do acompanhamento médico. 

Pode ser necessário também o auxílio de outros profissionais, como fisioterapeuta, enfermeiro, psicólogo e nutricionista, além de um cuidador. Para os familiares, entender a doença e seus reflexos na vida dos idosos faz muita diferença, reduzindo o desgaste e melhorando a qualidade de vida de todos os envolvidos. 

Quem dispõe do Sinam tem acesso completo à profissionais médicosexames e procedimentos para acompanhar a doença. O Sinam é um sistema de atendimento médico que a Associação Médica do Paraná – AMP oferece para quem não quer depender do SUS e não deseja ou não pode pagar um plano de saúde

Com o Sinam, a pessoa pode escolher o médico de sua preferência para receber atendimento particular em consultas, exames e procedimentos, com valor diferenciado e mais acessível. Nos três estados do Sul – Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul – são mais de 1.500 médicos referenciados

Mais informações no www.sinam-pr.com.br