Publicidade

Ilha do Mel Litoral

Surfe ecológico

Cerca de 500 crianças do litoral paranaense tiveram na última semana acesso a lições de sustentabilidade e esportes radicais. Elas participaram do Projeto Prancha Ecológica, que tem com principal objetivo ensinar educação ambiental através da confecção de pranchas com garrafas pet. “É um jeito de ensinar um esporte que toda a criança quer aprender por meio de ações em prol da natureza”, explica Jairo Lumertz, surfista profissional idealizador do projeto e criador da prancha ecológica.

A ideia de construir pranchas com garrafas pet surgiu em 2007, quando Lumertz morava no Havaí (EUA). “Eu olhava as garrafinhas boiando em enchente, rios ou no mar sempre pensei que se tratava de um material que poderia ser transformar numa prancha. Certo dia, resolvei colocar a ideia em prática”, conta.

A prancha ecológica é construída basicamente através de garrafas pet, tubos de PVC, plástico EVA, cola resistente, tábuas plásticas e gelo seco. “Com as garrafas fazemos toda a estrutura da prancha e com os tubos e cola fazemos o esqueleto. Para dar flutuabilidade a prancha, inserimos gelo seco dentro das garrafas. O plástico EVA vai na superfície para o praticante não escorregar e ter estabilidade. Cortamos as tábuas e pronto. Temos um prancha”, explica Serginho Laus, surfista paranaense duas vezes recordista mundial do surfe na pororoca e padrinho do projeto Prancha Ecológica no Paraná.

Nas areias paranaenses, o projeto teve início no último dia 18 e termina hoje, passando pelas praias de Guaratuba e Matinhos e pela Ilha do Mel, onde os Caçadores de Notícias acompanharam uma aula na última quarta-feira, na praia de Encantadas.

As aulas do Prancha Ecológica são divididas em três partes. Na primeira, os alunos aprendem sobre materiais recicláveis, sustentabilidade e ecologia. Já na segunda etapa os alunos colocam a mão na massa e participam de todos os processos de montagem da prancha. “Ainda colocamos a criançada para recolher lixo na praia, pra eles aprenderem o que é e o que não material reciclável”, diz Lumertz.

Para finalizar as atividades, os alunos entram na água e aprendem todas as instruções de surfe e stand up paddle (SUP). “Acreditamos que estamos ensinando algo maior, que é a consciência em relação à natureza e ao nosso meio ambiente, através de uma atividade que é só possível realizar em lugar cuidado. E a criançada gosta de aprender. Desde sobre a questão do lixo até o surfe por si próprio”, diz Laus.

“A prancha ecológica é uma ferramenta que atua em várias frentes. Ela ensina sobre a questão da sustentabilidade, a reciclagem de materiais e os cuidados com a natureza. Além disso, é a porta de entrada para o surfe, que é um esporte relativamente caro. Como a prancha é barata, muito podem ter o primeiro contato com o esporte através dessa prancha”, conclui Lumertz.

Veja na galeria de fotos o surfe ecológico.

Sobre o autor

Avatar

Eduardo Santana

Eduardo tem 33 anos, é jornalista desde 2003 e fã de Slayer. E-mail: esantana@tribunadoparana.com.br Twitter: @santanation

(41) 9683-9504