Publicidade

Curitiba

Vida de luta

Foto: Gerson Klaina
Giselle Ulbrich
Escrito por Giselle Ulbrich

A dona de casa Glória Klyvivanowski, 61 anos, precisa de ajuda. Para conseguir cuidar adequadamente do seu irmão e de sua mãe, ­ambos acamados por problemas de saúde, ­ela precisa da doação de fraldas geriátricas e de leite longa vida. O orçamento anda curto e sem essa ajuda os cuidados com eles ficam bem prejudicados.

Glória conta que sua vida já foi mais confortável. Mas, hoje em dia, a família ­- ela cuida de sete pessoas em casa, três delas doentes ­- vive apenas com a aposentadoria de seu esposo, que não dá conta de alimentar e suprir as necessidades de todos. O irmão de Glória, Edemilson Pereira, 49 anos, nasceu com paralisia cerebral e desde então vive acamado. Não se movimenta, não fala, sequer mastiga os alimentos.

Depende de que alguém lhe alimente pela boca e, por isto, sua alimentação é sempre líquida, no máximo pastosa. E por causa disto, Glória usa muito leite longa vida, adicionado com outros ingredientes, como Mucilon, Farinha Láctea, Nescau ou outros alimentos. A cada duas horas, é necessário alimentá-lo.

Leia também: Família guerreira

A vida de Glória já era difícil com o irmão, até que sua mãe, Nola de Oliveira Pereira, 84 anos, adoeceu do coração e ficou internada no final do ano passado. Teve alta, mas desde então, não anda mais e não consegue se alimentar direito. Então Glória a alimenta igual ao irmão. E para mantê-los limpos, ela gasta entre três e cinco fraldas, com cada um, por dia.

“Tem dias que não tenho muitas fraldas, então passo o dia correndo com a comadre, para minha mãe fazer as necessidades e não precisar das fraldas. Mas assim é muito mais difícil, complicado e me toma tempo para as outras atividades”, lamenta Glória, que passa o dia cozinhando, limpando, ministrando remédios aos dois acamados, alimentando e limpando a casa. Atende-os de dia e várias vezes de madrugada também. Sem contar as inúmeras lavadas de roupas por dia, visto que os dois acamados muitas vezes escapam xixi nas roupas de cama.

Glória cuida também do irmão, que tem paralisia desde criança. Foto: Gerson Klaina
Glória cuida também do irmão, que tem paralisia desde criança. Foto: Gerson Klaina

Não bastasse a correria com os dois, Glória ainda tenta cuidar do marido, que está com câncer de pulmão e tem dificuldades em conseguir os remédios necessários (de alto custo) via SUS. “Ele não está tomando, porque não estamos conseguindo gratuito”, lamenta ela. Por causa desse aperto, Glória já tem deixou dívidas na farmácia e no supermercado e por isso não consegue mais “pendurar” as contas.

Além dos três doentes, Glória ainda cuida dos três netos que moram com ela desde pequenos e de um filho mais velho, de 30 anos, que está desempregado e batalhando uma oportunidade.

“Oito pessoas pra dar de comer em casa”, diz a dona de casa. Os mais novos, de 16 anos, estão estudando e uma delas começou a trabalhar como Aprendiz Legal numa empresa. Mas ganha pouco e não consegue ajudar muito no orçamento. A outra também está buscando oportunidade como Aprendiz Legal e o mais velho, de 22 anos, está terminando a faculdade.

Ajude a Glória!

Enquanto as coisas não melhoram, Glória está precisando de ajuda com doações de fraldas geriátricas, de qualquer marca, tamanho G e GG. Também precisa de caixinhas de leite longa vida para alimentar o irmão e a mãe e, se possível, complementos como Mucilon, Farinha Láctea, Nescau, Maisena e outras misturas para o leite.

Estas são as necessidades mais urgentes. Mas quem quiser e tiver disponível em casa, pode ajuda-la também com roupas de cama (solteiro e casal), cobertores e edredons, em condições de uso, já que ela troca muitas roupas de cama por dia para manter a mãe e o irmão limpos. Os edredons, mesmo que velhos, ela usa embaixo do lençol, para proteger os colchões do xixi. Cestas básicas também ajudariam muito para alimentar a família.

Contato para doações:
(41) 3205-4416 / 99917-6589 (Glória)

“Gruda” na cabeça!

Sobre o autor

Giselle Ulbrich

Giselle Ulbrich

(41) 9683-9504