Publicidade

Bacacheri Boa Vista Curitiba Hugo Lange Mercês

Queimando no bolso

Giselle Ulbrich
Escrito por Giselle Ulbrich

Quando o assunto é aumento de preços, que pesam no bolso do consumidor, nem todo mundo quer se pronunciar sobre isto. Agora que o abastecimento de combustível está perto de voltar ao normal na grande Curitiba, o etanol e a gasolina dispararam de preço. No início do mês, era possível encontrar gasolina por cerca de R$ 3,99 e etanol a partir de R$ 2,70. Pouco antes da greve, o etanol teve um pequeno aumento.

Mas o preço dos combustíveis começou a subir lá pelo terceiro dia da greve dos caminhoneiros, antes do produto acabar totalmente nos postos. Agora, é possível encontrar gasolina a partir de R$ 4,49 (chegando até a R$ 4,79) e o etanol a R$ 3,19. E o que os envolvidos no comércio de combustíveis têm a explicar sobre este aumento? Quase ninguém quis se pronunciar à Tribuna. E a população, que não quer deixar de viajar no feriadão, não quer saber mais de protestar. Está se sujeitando a ficar na fila e a pagar o preço.

+ Caçadores de Notícias: economista detona presidente Temer e diz que ele negociou com terroristas

A reportagem percorreu postos de alguns bairros da capital para entender porquê o preço subiu. Em mais da metade deles, os gerentes ou donos nem quiseram falar com a reportagem, quando informados do assunto. Mas em alguns, surgiram algumas explicações. Nas Mercês, a funcionária explicou que o aumento era para tentar repor o prejuízo dos dias parados. E ainda assim, não está sendo simples recompor o saldo negativo, pois o que chegou de combustível não encheu nem metade do reservatório. Neste posto, pela manhã, a gasolina estava R$ 4,39 e o etanol R$ 3,09 (no dia anterior estava R$ 2,99).

No Tarumã, o gerente de um posto não falou com a reportagem. Mas um frentista deixou escapar que o combustível estava mais caro porque a nota fiscal da distribuidora veio com aumentos entre R$ 0,30 e R$ 0,40 no preço do litro. E por isso o valor foi repassado às bombas. Mas não falou se o posto tinha colocado mais algum aumento em cima disto, nem porquê subiram o combustível antes dos estoques acabarem, semana passada (antes de vir o aumento da distribuidora). Neste posto o etanol estava R$ 3,19 e a gasolina R$ 4,49.

Impacto nas refinarias e distribuidoras. Felipe Rosa / Tribuna do Parana
Impacto nas refinarias e distribuidoras. Felipe Rosa / Tribuna do Parana

No Bacacheri, a gerente do posto estava no pátio medindo os reservatórios e atendeu a reportagem. Mas preferiu passar a voz ao dono do posto, que não estava lá no momento. Neste local havia apenas gasolina, a R$ 4,49. No Hugo Lange, o dono de um posto deixou claro que não queria falar com a reportagem. Lá também só havia gasolina, a R$ 4,49, com o pátio lotado de carros.

O único gerente que falou com a reportagem foi de um posto na Rua Fernando de Noronha, no Boa Vista. Lá, o combustível subiu um pouco de preço antes de acabarem os estoques, na quinta-feira da semana passada. E agora, que o abastecimento está voltando ao normal, diz o gerente, Miguel Teixeira, continua com o mesmo valor, com etanol a R$ 2,98 e gasolina a R$ 4,39.

“O dono do posto decidiu manter o valor de antes”, disse Miguel. Porém ele já não sabe se conseguirá manter o preço, pois não sabe se a distribuidora mandará o produto com aumento na próxima leva. “Tem a promessa que hoje vai chegar mais um pouco. Mas já estou tentando comprar mais combustível pra amanhã e não consegui ainda em nenhuma distribuidora. Não estou nem vendo preço. A que tiver, vou mandar vir”, diz o gerente.

O que diz o Sindicombutíveis?

O Sindicato dos Revendedores de Combustíveis e Lojas de Conveniências do Estado do Paraná (Sindicombustíveis), que representa os postos, disse que não fala sobre preços, visto que a entidade não regula preços e, por conta da livre concorrência, cada dono de estabelecimento decide por seus valores. E cada caso de aumento deve ser avaliado individualmente.

+ Caçadores de Notícias: reabastecimento de Curitiba vai acontecer, mas é preciso ter calma

“Mas o que podemos adiantar é que o etanol teve alta nos últimos dias. Como a gasolina comum vendida no Brasil deve ter na mistura 27% de etanol, isto pode ter reflexo no preço da gasolina. Também tivemos notícias de aumentos promovidos por algumas distribuidoras”, diz a nota do Sindicato, sem confirmar se os donos de postos também promoveram ou não aumentos por conta própria, para “repor” o prejuízo dos dias parados, ou aproveitar para lucrar com a alta demanda.

O Sindicombustíveis também não tem nenhuma previsão se os preços podem voltar ao patamar de antes da greve. “O que podemos dizer é que os postos são o elemento com menor poder de decisão sobre preços. Segundo pesquisa da ANP, levando em conta pesquisa até o dia 19 de maio, para cada R$ 100 de gasolina, apenas R$ 5,49 fica com o posto. Ou seja, a margem de lucro média é de 5,49% A maior parte – 45% – é imposto. A Petrobras leva outros 36%. Fica evidente, acreditamos, que o que mais interfere nos preços é a Petrobras e os impostos. Salientamos ainda o seguinte: postos compram das distribuidoras, e não diretamente das refinarias. As distribuidoras têm liberdade para aumentar os preços e vender mais caro para os postos, e assim têm feito”, explica o sindicato.

E as distribuidoras, o que explicam?

O setor de distribuição de combustível no Brasil tem duas entidades representativas: a Plural, sindicato que representa as grandes distribuidoras, como por exemplo Ipiranga, Shell, BR, etc.; e a Brasil Com, associação que representa os distribuidores menores e regionais.

Sobre o aumento do preço dos combustíveis nas distribuidoras, a Plural explicou que, enquanto Associação, não fala sobre preços. Cada distribuidora tem sua política e a reportagem teria que ver direto com cada uma delas. Já a Brasil Com informou que teria que fazer esse levantamento com as suas 42 associadas e não teria como dar nenhuma resposta tão breve.

Na noite desta quarta-feira a Petrobrás anunciou um reajuste nos preços dos combustíveis, que vai aumentar 0,74% nas refinarias nesta quinta-feira. Congelado por 60 dias, preço médio do litro do diesel permanece em R$ 2,1016.

https://www.tribunapr.com.br/cacadores-de-noticias/curitiba/impacto-profundo/

Sobre o autor

Giselle Ulbrich

Giselle Ulbrich

(41) 9683-9504