Publicidade

Curitiba

Dono de bicicletaria doa bicicletas para crianças carentes em Curitiba

Alex Silveira
Escrito por Alex Silveira

O dono de uma bicicletaria no bairro Cajuru, em Curitiba, doará 29 bicicletas para crianças do bairro. As bikes são usadas e estão sendo reformadas por ele para o Dia das Crianças, comemorado amanhã. A boa ação começou a ser preparada há duas semanas, quando Nilton Roberto Amancio, 48 anos, olhou para as bicicletas infantis que se acumulavam em sua loja e ninguém mais ia buscar. Ele falou com amigos, propôs que eles dividissem os custos de peças, e emprestou sua mão de obra ao projeto de levar a alegria para os pequeninos que, dificilmente, teriam a chance de poder ganhar uma bike da família.

A ideia cativou até os clientes, que liberaram Nilton de compromissos de entrega de alguns serviços para ele poder se dedicar à reforma das bicicletas para doação. Na quarta-feira (9), três bikes já foram entregues na Escola Prefeito Linneu Ferreira do Amaral. Outras dez vão para o Lar Moisés e 13 delas para a associação de moradores do Cajuru.

+ Leia mais: Idoso de 90 anos esbanja saúde e vitalidade; saiba o segredo!

A bicicletaria é a Cicles Mania, que fica na Rua Vicente de Carvalho, 407. O estabelecimento está no bairro há 18 anos, desde que Nilton Roberto comprou o ponto de um amigo. “Sempre gostei de bicicletas. Quando saí da empresa que trabalhava, fiz negócio usando o dinheiro do meu acerto. Estou aqui até hoje”, com o bicicleteiro. O serviço do ramo ele aprendeu sozinho. “Aprendi mexendo. Um amigo ensina um pouco aqui, outro ali. Alguma coisa você vê na internet e vai aprendendo com o tempo. Hoje, eu trabalho com todas as marcas de bicicleta. Realizo todos os consertos, vendo bikes, peças e assessórios. É o meu negócio”, orgulha-se.

Ao olhar as bicicletas infantis paradas na loja, Nilton decidiu que a boa ação de doá-las não passaria deste ano. “Elas se acumulam porque o cliente traz, vê que o conserto não vale a pena pelo custo, e acaba deixando. Esse tipo de coisa acontece ao longo dos anos. Eu e minha esposa já chegamos a doar uma ou outra bicicleta antes, para uma criança ou outra, mas, esse ano, resolvemos fazer um mutirão entre amigos. Não divulgamos nada, só no boca a boca mesmo, e é até uma surpresa a reportagem ter vindo aqui. Não fizemos isso por marketing. Acho que nem fotos das doações nós vamos fazer. Queremos é levar alegria para as crianças”, contou.

“Bicicletaiolo” usa suas habilidades para deixar as bikes tinindo. Foto: Átila Alberti / Tribuna do Paraná

As bikes são aro 16 e aro 20, para crianças até 12 anos. Além das doações das bicicletas de clientes que as deixaram na loja e não as querem mais, quando o boca a boca revelou a inciativa da bicicletaria, vieram mais bikes de um bicicletário de condomínio e duas de uma mulher que mora na vizinhança. “Como eu disse, é uma surpresa. Mas é bom ver que as pessoas são capazes de colaborar dessa forma. Acaba se tornando uma corrente do bem”, pontuou Nilton.

+ Veja também: Quer pagar quanto? Cafeteria abre as portas em Curitiba com promoção especial no cafezinho

O trabalho de recuperação das bicicletas velhas começou há duas semanas. Até hoje, véspera do Dia das Crianças, tudo deve estar pronto. Ao todo, dez amigos se mobilizaram para dividir o custo das peças. Até spray de tinta, para renovar uma ou outra pintura de quadro, entrou na lista. As primeiras doações foram para um projeto da escola Linneu Ferreira do Amaral, da qual a esposa de Nilton é professora. “As crianças escreveram cartinhas pedindo o que gostariam de ganhar. Fiquei feliz que tinham bicicletas na lista. A escola pegou elas aqui, de manhã, e entregou já de tarde. É muito bacana”, explicou.

Os escolhidos

A escolha do Lar Moisés também foi a dedo. “Eu sei do trabalho deles, das crianças que chegam lá em situação de risco. A gente tem que se doar um pouquinho que seja para mudar essa situação”, disse. O Lar Moisés é uma Organização Não Governamental (ONG) que funciona 24 horas. É uma instituição de acolhimento de crianças em situação de risco, encaminhada para lá pelo Conselho Tutelar, após sofrerem algum tipo de abuso, violência física ou psicológica ou terem algum direito violado. Essas crianças são retiradas das suas famílias e passam a morar lar. O local funciona no Cajuru há 25 anos. Atualmente, 20 crianças, de 2 a 12 anos, moram lá. Após um trabalho realizado, a crianças podem ou não retornar para as suas famílias ou serem encaminhadas para a adoção.

+ Caçadores de Notícias: Empresário de Curitiba adapta autoescola pra quem vai tirar CNH e tem deficiência

Mayara da Silva Ressler, 30 anos, coordenadora do Lar Moisés, disse que todos ficaram felizes ao saber das doações. “Serão dez bicicletas, que serão entregues na sexta-feira. Nós ficamos muito felizes. Acredito que as crianças vão ficar ainda mais felizes, porque bicicleta é algo que a gente não costuma ter condições de comprar para elas. E, também, se elas retornam para suas famílias, são famílias de extrema vulnerabilidade que não vão conseguir comprar. É bacana saber que tem pessoas com essas iniciativas, que se lembram das crianças”, comentou.

Nilton ganhou uma mão dos amigos pra fazer sua Corrente do Bem. Foto: Átila Alberti / Tribuna do Paraná

As demais bicicletas vão para a associação de moradores. “Tem uma festa para as crianças aqui no bairro, organizada pela associação. Vamos deixar com eles para que possam ser distribuídas no dia 12. Será um Dia das Crianças mais feliz”, explicou Nilton Roberto.

Quando a reportagem perguntou sobre a infância de Nilton, se ele tinha bicicleta, entendemos um pouco mais de onde vem o coração aberto do bicicleteiro, com esse desejo de compartilhar as boas ações. “Éramos cinco irmãos. O pai só podia comprar uma bicicleta e todo mundo dividia. Era uma diversão. Claro que a gente brigava, de vez em quando, mas é um brinquedo que ensina muito sobre a vida. Também acredito que seja uma forma de tirar um pouco a cabeça delas de computador e videogame. Minha esposa e meu filho, de 17 anos, também estão ajudando nisso. Espero que funcione”, finaliza o “dono” da corrente do bem.

Sobre o autor

Alex Silveira

Alex Silveira

(41) 9683-9504