Publicidade

Curitiba

Só pra elas!

Maria Luiza Piccoli

O serviço é rápido e já bastante conhecido. Basta abrir o aplicativo e inserir o endereço do destino. A diferença é que o ícone com um carro cor-de-rosa traz a opção “motorista mulher”. Feita a escolha é só aguardar e seguir viagem tranquilamente. O serviço que se torna cada vez mais comum em aplicativos de mobilidade, surgiu em resposta ao alto número de crimes contra a dignidade sexual e à constante insegurança por parte do público feminino em utilizar serviços – particulares ou coletivos – de transporte. Atentas à questão, empresas do ramo investem no segmento e garantem: “mulher ao volante, segurança constante”.

Dados divulgados este mês pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná (Sesp) apontam que 858 crimes contra a dignidade sexual foram registrados em Curitiba em 2017. As estatísticas incluem cerca de 60 casos de assédio contra mulheres em ônibus, estações-tubo e terminais da cidade somente entre os meses de janeiro e outubro, registrados pela Guarda Municipal. Nas notas policiais, situações constrangedoras como “encochadas”, passadas de mão e uma série de atos de cunho erótico que, infelizmente acontecem numa frequência maior do que se imagina.

Com as atenções voltadas ao tema, empresas desenvolvedoras de aplicativos de transporte alternativo têm investido no público feminino. É o caso do aplicativo 55 Elo, criado por empresários curitibanos e lançado no fim do ano passado. O app funciona de maneira semelhante aos já presentes no mercado, porém com alguns diferenciais. Ao contrário da maioria dos aplicativos de transporte privado urbano, o 55 não cobra taxa de corrida dos motoristas, mas sim uma anuidade ­ o que garante conversão integral do valor do serviço ao condutor. Para as funcionárias, a vantagem é maior, uma vez que pagam menos pela adesão. “Sabemos que muitas passageiras preferem motoristas mulheres por uma questão de segurança ou porque se sentem mais confortáveis. Para atender esse público, diminuímos o valor da anuidade para as funcionárias. Enquanto homens pagam de R$990 a R$1.190 mil, elas pagam R$890”, explica um dos diretores da empresa, o advogado José Gulin.

Adriana Biscrovaine, 46, é uma das primeiras motoristas que se cadastrou para atender pelo app. Além de trabalhar com o que gosta ela afirma sentir-se útil em fazer atendimentos específicos para o público do sexo feminino. “Querendo ou não, muitas passageiras curitibanas foram vítimas de assédio. Apesar de muitos casos ficarem ‘abafados’ e nunca serem trazidos à público, a grande demanda pelo serviço mostra que a questão incomoda e merece mais atenção”, afirma.

Foto: Fábio Alexandre.
Foto: Fábio Alexandre.

Outro aplicativo que surgiu a partir das necessidades do público feminino foi o Frida Karro ­ cujo serviço é prestado somente por mulheres. Criado no fim do ano passado, o app funciona há 30 dias em Curitiba e já conta com 600 motoristas cadastradas. De acordo com um dos idealizadores da plataforma, o advogado Marcello Lombardi, a ideia surgiu não somente a partir demanda por segurança, mas do próprio comportamento das mulheres no trânsito ­ comprovadamente mais pacífico. “Preferimos trabalhar somente com motoristas mulheres porque existem estudos que comprovam que elas tomam mais cuidado ao volante. Além de levarem menos multas, por serem mais cautelosas, as mulheres são mais equilibradas em situações de stress no trânsito. Isso representa mais segurança para os passageiros e para a sociedade de um modo geral”, afirma.

Não são somente plataformas de transporte particular alternativo que oferecem o serviço. Algumas empresas de táxi de Curitiba também inclinaram os ouvidos à questão e começaram a operar com frotas conduzidas exclusivamente por mulheres. Os carros apresentam todas as características exigidas pela lei municipal (cor laranja e grafismos em preto), e as motoristas são devidamente regulamentadas pela Urbs. Prova de que o assunto virou mesmo coisa séria.

Separar resolve?

Politicamente a discussão sobre a necessidade de separação de homens e mulheres nos meios de transporte ­ públicos e privados – divide opiniões. Enquanto no Rio de Janeiro, o vagão para mulheres do metrô ­ aprovado em agosto do ano passado – vai de vento em popa, em Curitiba, a tentativa de criação de um ônibus rosa, que atenderia somente o público feminino, caiu por terra no fim de 2014. Na época, o vereador Rogério Campos (PSC) elaborou a proposta baseado na preservação da integridade física e moral das mulheres. Em votação, a Câmara Municipal rejeitou o projeto, alegando que a medida desrespeitaria o direito de igualdade.

De acordo com a psicóloga e professora do curso de Psicologia da Universidade Positivo (UP), Cláudia Conalchini, a questão é polêmica, mas não pode ficar de lado. Medidas como o “ônibus rosa”, segundo a especialista, resolvem a questão paliativamente mas, para que o problema fosse de fato solucionado, seriam necessárias abordagens a nível cultural e educacional ­ além de uma reeducação da forma social de pensar o papel da mulher. Missão difícil, mas não impossível.

Foto: Fábio Alexandre.
Foto: Fábio Alexandre.

Para a psicóloga o ideal seria que princípios como igualdade e respeito fossem ensinados em casa, e diante da ausência dessa educação, políticas inclusivas representam apenas um “remédio”. “Haja vista que o segregacionismo de fato existe e é uma realidade social, é necessário adotar medidas que incluam a todos, de forma que se sintam respeitados e livres ao exercício da atividade. Como pegar um ônibus sem sofrer assédio, por exemplo. Como a realidade porém, ainda está distante disso, a viabilização de serviços exclusivos para mulheres pode ser um ‘remédio’, mas não a solução”, explica.

Enquanto nas redes sociais a questão é discutida efusivamente, no âmbito doméstico e escolar o debate vai a passos lentos. De acordo com a psicóloga, o atual momento social pede que o respeito à mulher seja revisto pelas famílias e instituições por meio de campanhas educativas, por exemplo. “É preciso que as verdades transmitidas até hoje sobre os papéis do homem e da mulher sejam questionados em âmbito social. É necessário investir com uma educação igualitária, que transmita deveres e direitos iguais para eles e para elas”.

Em último caso, a especialista recomenda um exercício simples de empatia: “Basta que cada um imagine como gostaria que fosse na sua própria família. Você, pai, gostaria que a sua filha fosse tratada de que forma? Basta refletir um pouco para entender que esse assunto á coisa séria e merece atenção”, finaliza.

Sobre o autor

Maria Luiza Piccoli

Maria Luiza Piccoli

(41) 9683-9504