Publicidade

Cabral Cajuru

Casos de emergência

Algumas regiões de Curitiba ficam desassistidas devido a quartéis desativados do Corpo de Bombeiros e realocação de efetivo para a Operação Verão. O quartel do Cabral está fechado desde o início de 2015 e passará por reforma para virar escola de soldados. Já o quartel do Cajuru está com efetivo reduzido desde o começo da temporada de praia e conta somente com os membros do Grupo de Operações de Socorro Tático (GOST), especializado em fazer buscas em montanhas, rios e cavas, mas não em atender incêndios.

Além disso, como a Tribuna mostrou há duas semanas, o quartel da Cidade Industrial de Curitiba (CIC) está completamente abandonado, e chegou a virar ponto de descarte de entulho e pousada para moradores de rua. Após a reportagem, homens do quartel do Bairro Alto foram deslocados para fazer a limpeza do local, no outro lado da cidade, deixando a região em que atuam descoberta.

Por causa da Operação Verão, efetivo do Cajuru está reduzido.   Foto: Felipe Rosa
Por causa da Operação Verão, efetivo do Cajuru está reduzido.
Foto: Felipe Rosa

No quartel do Cajuru, situado na Rua Fortaleza, 1.000, a reportagem apurou que 12 dos 44 bombeiros foram enviados para a Operação Verão. Os 32 que permaneceram na capital fazem parte do GOST, treinado para fazer resgates aquáticos, com cães, em prédios desabados e veículos batidos. “Devido ao efetivo empregado na Operação Verão, se tiver algum incêndio, nós atendemos. Mas dependendo da localidade, seria o quartel de Pinhais, o do Bairro Alto ou o Central”, explica o tenente Renato Costa Barbosa, integrante do GOST do Cajuru.

Na semana passada, a Escola Municipal Prefeito Linneu Ferreira do Amaral, que fica ao lado do quartel, teve um princípio de incêndio, que foi atendido pela equipe do Cajuru. Como os bombeiros estavam perto, o fogo foi contido logo no início. Se o socorro viesse de mais longe, as chamas poderiam ter se alastrado.

Quartel do Cabral está fechado desde 2015 e será reformado.  Foto: Felipe Rosa
Quartel do Cabral está fechado desde 2015 e será reformado.
Foto: Felipe Rosa

Fechado

Já o quartel do Cabral, na Avenida Munhoz da Rocha, 1.431, está fechado, e funciona somente para treinamentos, de acordo com o gerente de uma loja de calçados ao lado do local. “Desde o começo do ano passado não tem mais bombeiro aí. Ouvimos falar que eles precisam de mais espaço. Antes, ficavam poucos bombeiros, no máximo 15”, recorda o comerciário Vilson Silva. No portão do quartel, um cartaz informa que o atendimento ao público está sendo feito na sede do 7º Grupamento de Bombeiros (GB), na Rua Professor Brandão, 64.

Em 2006, o quartel foi reconstruído, obra que custou R$ 700 mil. No entanto, uma nova reforma está em fase de licitação, de acordo com a assessoria do Corpo de Bombeiros. “Durante esse período burocrático da licitação, o prédio estará sendo utilizado como Núcleo de Ensino para a formação de 50 novos soldados. A área de abrangência desse quartel é o Norte de Curitiba, que está sendo atendido pelos Postos de Bombeiros do Bairro Alto e Pilarzinho”, informa, em nota.

Sobre o autor

Luisa Nucada

Luisa Nucada

Luisa Nucada é jornalista formada pela UFSC.

(41) 9683-9504