Se tem uma coisa de que não consigo me livrar (nem quero) é da jukebox que “mora” em mim. A minha vizinha de mesa, a editora Paula Weidlich, sofre com minha mania de cantar uma música a cada palavra falada aqui na redação. E vem de tudo um pouco. Músicas de todos os estilos e “idades” variadas. Bati o olho nessa foto maravilhosa do repórter fotográfico Lineu Filho e lembrei da música Paralelas, do Belchior. “No Corcovado, quem abre os braços sou eu! Copacabana, esta semana o mar sou eu. E as borboletas do que fui, pousam demais. Por entre as flores do asfalto em que tu vais”. Viva Belchior, viva a natureza. Bom final de semana. (Eduardo Luiz Klisiewicz)