O repórter fotográfico Lineu Filho é um dos maiores entendidos de Marumbi, Morretes, Antonina e arredores. Se pudesse, tenho certeza, viveria mais lá do que cá. Muita gente pensa em Tim Maia quando olha pro mar azul (“Ter um sonho todo azul, azul da cor do mar”), mas eu lembro do Flávio Venturini. Um “cadinho” mais refinado que o rei do soul brasileiro (de quem sou muito fã), Venturini mandou esses belos versos direto do Clube da Esquina. “Tudo que eu fiz foi me confessar escravo do teu amor, livre para amar. Quando eu mergulhei fundo nesse olhar. Fui dono do mar azul, de todo azul do mar”. No destaque, a bela Baía de Antonina.