Negociar dívidas tem sido uma saída utilizada por muitos consumidores que estão em situação financeira complicada.

Seja diretamente com seu banco ou cartão de crédito ou através dos mutirões de negociação de débitos realizados pelas associações comerciais, pelos credores ou pelos Procons, esse mecanismo tem tirado muitos consumidores do sufoco.

Mas é preciso ter cuidado. Especialmente se o consumidor tem vários débitos, oriundos de diferentes contratos com a mesma instituição financeira.

Explico melhor. São muito comuns as situações em que o cliente tem dívidas com cartão de crédito, cheque especial e financiamento em aberto ao mesmo tempo.

Nesses casos, se houver uma negociação, é preciso se assegurar se todos os contratos estão incluídos.

Além disso, se a negociação for em relação ao cartão de crédito, é preciso verificar se os valores relativos às compras parceladas e que ainda não venceram estão no pacote negociado.

São cuidados básicos, mas que evitam, com certeza, uma dor de cabeça futura.

Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Instagram Compartilhe no Twitter Compartilhe a Tribuna