Início de ano. Momento de pensar no futuro e renovar as esperanças. Olhar para a frente, respirar novos ares e, porque não, apesar das incertezas e da descrença que a dura realidade nos impõe no dia-a-dia, permitir a nós mesmos sonhar, por alguns instantes, com um futuro melhor. Relaxar, vencer o medo de estar se iludindo, e apenas saborear o sentimento de felicidade.

Pois eu gostaria de reproduzir aqui, algo que li há muito tempo. Oito tendências relacionadas à vida, que foram previstas para os próximos 20 anos. Algumas já estão acontecendo:

– Estaremos em contato com qualquer um, em qualquer lugar, a qualquer tempo. Aprenderemos, trabalharemos, amaremos e nos divertiremos à distância.

– A Aids e vários tipos de câncer serão debelados. Os cegos enxergarão com aparelhos. Transplantes de órgãos, naturais e artificiais, permitirão vivermos mais e passaremos dos 100 anos com boa saúde.

– Longevidade maior e tecnologia aumentarão as horas de ócio. O desafio será como ocupá-las!

– Não haverá distinção precisa entre trabalho, estudo e tempo livre. A educação, intensa e permanente, ocupará boa parte da vida. E o que contará no trabalho serão os resultados, não o tempo para fazê-lo. Remuneração, idem.

– Um único chip será mais potente do que todos os computadores do Vale do Silício de hoje, juntos.

– Em uma era de prestação de serviços, a fidelidade do cliente será a melhor vantagem competitiva, a ética do profissional seu maior patrimônio e apenas homens e mulheres de caráter vencerão.

– Como a perfeição técnica será requisito, a forma fará a diferença e vai ser tão ou mais importante que o conteúdo.

– As pessoas não aceitarão trabalhos que as impeçam de viver bem. A questão vai ser como viver e não o quanto viver, já que a longevidade estará garantida.

Estas previsões não são minhas, mas de Domenico de Masi, sociólogo e escritor italiano, autor do livro “O Ócio Criativo”. Foram escritas por ele há nada menos de duas décadas!

Feliz Ano Novo!