Tenho estado muito feliz com a quantidade de consultas de jovens profissionais querendo saber onde aplicar suas reservas financeiras. Consciência se formando. Leem meus artigos e perceberem gente desesperada na pandemia por não ter poupado para períodos adversos.

Bom, vamos lá; a primeira poupança que a gente tem que fazer é para o curto prazo, para emergências, como ficar desempregado ou ter que pagar uma cirurgia que o plano de saúde não cobre. Pois, neste momento, isto é um problema, porque não tem muita opção de investimento de curto prazo sem risco.

VEJA TAMBÉM: Como ensinar seu filho a poupar?

Quem pensou na caderneta de poupança, esqueça. Quando a SELIC- a taxa de juros básicos da economia- está abaixo de 8,5%, o rendimento da poupança não é o famoso 6,17% aa, mas sim 70% da SELIC. Com a SELIC a 2%, 70% disso dá 1,4%. Como a inflação projetada para 2020 é de uns 2%, quem aplicar em poupança este ano verá seu dinheiro desvalorizar uns 0,6 pontos percentuais. Vai perder dinheiro.

Mas, então, onde aplicar?

Trocando uma ideia com um amigo gestor de investimentos, sobraram duas opções: um CDB de um banco médio, bem conceituado, que remunera uns 108% do CDI, mesmo tendo que pagar 20% de IR sobre o rendimento se sacar antes de um ano.

Outra boa opção: deixe o dinheiro numa conta pagamento de um banco digital. Ela remunera o CDI, mas não tem imposto.

Agora nunca esqueça que tem que por um pouquinho sempre numa previdência privada para uma aposentadoria decente.