Muitos me perguntam por que fazer uma previdência privada.

Simples: para, no futuro, receber sem precisar trabalhar. Tem coisa mais triste do que nunca poder parar de trabalhar? Dois terços dos aposentados do INSS se mantém no mercado de trabalho. Será que é porque gostam de trabalhar aos 70 ou 75 anos?

Vejo tanta gente vivendo o dia a dia como se não houvesse amanhã que me desespero.

Vejo desinformados otimistas fazendo planos de viagens na aposentadoria sabendo que eles jamais vão poder parar de trabalhar.

Vejo ignorantes dizendo que previdência privada é de banqueiros, mal sabendo eles que são muito mais explorados na previdência social e que previdência privada não é só a dos bancos, mas também a dos fundos de pensão, que não têm finalidade lucrativa, cuja rentabilidade vai toda para o bolso dos segurados.

Olha, só conheço gente bem aposentada, gozando a velhice, viajando e se divertindo, se junto com a renda do INSS tem uma renda de um fundo de pensão.

Previdência privada, além de tudo, economiza imposto de renda. Isso mesmo. Podemos abater até 12% da nossa renda na hora da Declaração Anual no modelo completo. E o dinheiro investido num fundo de pensão ou em um PGBL não paga imposto, diferente de um fundo de investimento, onde tem o chamado come-cotas, imposto que é descontado do rendimento a cada seis meses.

Vejam, sempre me procuram para fazer uma previdência privada e um projeto de vida em janeiro. Errado. Início de ano tem IPTU, IPVA, material escolar dos filhos, despesas das férias e a empolgação não dura muito.

O momento é agora, fim do ano, quando sobra um dinheirinho. Hora de poupar ao invés de só gastar. Poupar e gastar se conjugam da mesma forma, mas te conduzem por caminhos completamente diferentes na vida.

Agora, para quem torra o 13º, uma dica: jogue também na Loteria, pois só se for sorteado poderá ter uma velhice com conforto.