Nos últimos dez anos, houve um aumento significativo nos casos de câncer da pele. Um dos motivos é a falta de conscientização da população quanto à exposição solar. Proteger a pele do sol é fundamental no ano inteiro e o cuidado deve ser redobrado no verão, pois as pessoas aproveitam a estação mais quente do ano freqüentando praias ou piscinas e aumentando sua exposição ao sol.

A principal preocupação não deve ser apenas em evitar a vermelhidão de ficar muito tempo exposto ao sol, mas, também, evitar o acúmulo da radiação solar, que leva ao desenvolvimento de câncer da pele. O cuidado deve ser com a prevenção, que não é segredo para ninguém: evitar a exposição entre as 10h e 17h, usar filtro solar e também proteção física, como chapéus, roupas adequadas e guarda-sol.

Ao contrário do que muitos pensam o fator de proteção solar (FPS) não é tão importante quanto o uso correto do filtro. O FPS 15 é o mínimo recomendando e já é o suficiente, pois filtros de fator 30 ou até mesmo superior a 60 aumentam muito pouco a proteção. O mais importante é a aplicação e a reaplicação correta: de 30 minutos a uma hora antes da exposição solar, e novamente a cada duas horas. É melhor reaplicar um filtro 15 a cada duas horas do que usar um de FPS 100 apenas uma vez.

Estudos mostram, entretanto, que a média da população, além de passar pouco protetor permanecem mais tempo expostas ao sol. Criou-se a falsa impressão de que usar o filtro permite uma exposição solar por mais tempo e pouco importa a reaplicação do produto. Isso acaba levando a incidência de queimaduras e, também, ao envelhecimento precoce da pele.

Quando acontece a queimadura solar, em vez de utilizar cremes e produtos comprados na farmácia, a pessoa deve consultar o dermatologista, para avaliar a gravidade do quadro e as futuras conseqüências daquela queimadura. Além disso, o médico poderá observar possíveis alergias ou doenças inflamatórias que pioram com a exposição solar.

As medidas de proteção da pele podem ser um tanto quanto desanimadoras para aqueles que desejam um bronzeado ideal no verão. Não são recomendados o uso de bronzeadores, pois, estes, não protegem a pele contra a radiação solar. Além disso, bronzeamento artificial também não é indicado, pois aumenta a incidência de câncer de pele. Para aqueles que não abrem mão da pele morena, o auto-bronzeamento, com produtos específicos, pode ser uma opção coerente, pois apenas pinta a pele como uma maquiagem. É uma solução para evitar os riscos da exposição ao sol.

Além do cuidado no verão, é importante lembrar-se de proteger a pele o ano inteiro, já que a radiação ultravioleta mantém-se estável nas outras estações. Cuidar das crianças e ensiná-las desde cedo, também é fundamental, pois já foi constatada menor incidência da doença em pessoas com menos exposição solar na infância.

Cabe lembrar que proteger-se do sol, além de prevenir, também impede o envelhecimento precoce, mantendo a pele bonita e jovem por mais tempo. Mais um ótimo motivo para começar a fotoproteção desde cedo.

Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Instagram Compartilhe no Twitter Compartilhe a Tribuna