As recentes mortes e os inúmeros casos de febre amarela registrados principalmente nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Minas Gerais têm preocupado muita gente e gerado uma corrida pelas vacinas contra a doença. Muito perigosa para os seres humanos, no entanto, ela não traz riscos para os animais de estimação como cães e gatos. É o que explica a médica veterinária da EsalPet Jueli Berger.

Leia também: Saiba que cuidados ter ao passear com seu cachorro neste verão!

“Cães e gatos não sofrem e nem transmitem a febre amarela. No ciclo silvestre da doença os hospedeiros e sinalizadores de onde estão os focos são os macacos. E os vetores que transmitem a febre amarela são os mosquitos de hábitos silvestres, sendo os gêneros mais importantes o Haemagogus e Sabethes“, diz.

Além de tranquilizar quem tem um gato ou cachorro em casa, Jueli reforça que mesmo tendo os macacos como hospedeiros do vírus da febre amarela, é importante proteger estes animais. “Pedimos encarecidamente à população que antes de agredir um macaco se informe e veja que ele não é o transmissor”.

Ainda de acordo com a veterinária, nas cidades os hospedeiros da doença são os humanos e a transmissão ocorre pela picada do mosquito do gênero Aedes Aegypti, infectado. O mesmo mosquito que também transmite a dengue, zika e chikungunya.

Doenças de verão

Adoção responsável: Boby tem um ano e meio, porte médio e já está castrado e vacinado. Tranquilo e dócil, ele aguarda ser escolhido por uma família tão amorosa quanto ele. Para adotá-lo fale com a Carol (41) 99981-6052. Foto: Divulgação.
Adoção responsável: Boby tem um ano e meio, porte médio e já está castrado e vacinado. Tranquilo e dócil, ele aguarda ser escolhido por uma família tão amorosa quanto ele. Para adotá-lo fale com a Carol (41) 99981-6052. Foto: Divulgação.

No caso dos cães e gatos, nesta época são mais perigosas a dirofilariose, que é transmitida pela picada do Aedes Aegypti contaminado e a leishmaniose, que é adquirida pela picada do Mosquito Palha. ‘”Essas sim são doenças que afetam os cães e gatos e que podem levar eles a óbito.

Além delas também devemos nos preocupar com as doenças transmitidas pela picada do carrapato: erlichiose, babesiose e anaplasmose. E com algumas doenças virais como cinomose, parvovirose, leptospirose, que também inspiram um cuidado maior durante os meses mais quentes”, ressalta Jueli.

Com o calor, também aumenta a proliferação de pulgas e carrapatos, assim, tutores e cuidadores de animais de estimação precisam redobrar os cuidados, caprichando no uso de antipulgas e na vacinação preventiva, para proteger os pets e para que juntos, todos possam curtir o verão!

 

Quer contar uma história com seu pet, sugerir um tema ou publicar a foto de um animal disponível para adoção? Escreva para gente: animal@tribunadoparana.com.br