No mês de setembro, o Jornal Nacional completa 50 anos de vida. Para comemorar, o telejornal mais famoso da Globo terá um rodízio de apresentadores nas edições de sábado. A ideia é que sempre um homem e uma mulher de emissoras afiliadas tenham a chance de sentar nas cadeiras dos titulares William Bonner e Renata Vasconcelos. Os nomes dos escolhidos ainda não foram divulgados, mas a notícia, certamente, vai agitar as redações da emissora em todo o Brasil. 

Será a chance de ouvir sotaques diferentes, rostos desconhecidos da maioria no comando do JN. É um processo de integração nacional que a Globo já vem propondo nos últimos anos. Serão três meses de rodízio aos sábados. Ou seja: muita gente boa vai ter chance de ancorar o noticiário. Comecem as apostas de quem poderá assumir a bancada do JN!

+Leia também: Paolla Oliveira vai pra justiça após ser confundida com atriz pornô

O Jornal Nacional estreou em 1969, durante o regime militar, e nasceu com o propósito de ligar o Brasil e o mundo. Era a época das primeiras transmissões via satélite para todo o território nacional e onde houvesse emissora afiliada da Globo. Um dos apresentadores mais marcantes do JN foi Cid Moreira, que popularizou o tradicional “boa noite” ao término de cada edição.

Durante muitos anos, o telejornal era apresentado por homens, até que nos anos 90, (finalmente) Lilian Witte Fibe assumiu a titularidade, depois de ser âncora por muitos anos do Jornal da Globo. Depois de Lilian, veio Fátima Bernardes, que fazia dupla com o então marido William Bonner.  Era o Casal 20 do JN